A Fonte do Alqueidão

Alqueidão é a minha terra
Fica em cima do monte
Quando eu queria beber água
Ia buscá-la à fonte

A fonte era uma relíquia
Que havia no Alqueidão
Onde os rapazes novos se lavavam
Na véspera para ir à inspeção

Era um encanto lá estar
Ver as bicas a correr
As mulheres com os seus cântaros
à espera de vez para os encher

Havia lá dois grandes tanques
Sempre com água a correr
Onde as mulheres iam lavar a roupa
Para mais tarde a estender

Tudo isto acabou
Aqui na nossa terra
Era um encanto lá estar
mesmo à beira da serra

Nesse tempo lhe chamavam
A Fonte dos namoricos
Em que as moças iam à fonte
para arranjar seus namoricos

Isto não é só por falar,
Era mesmo tradição
Foi no caminho dessa Fonte
que embrulhei meu coração

A mocidade ia à Fonte
de propósito para arranjar
o seu namorico
para um dia se casar

Foi assim que me calhou
A minha sorte estava destinada
Era melhor que a Fonte estivesse seca
Não se tinha arranjado nada.

Autor: Inocêncio Gomes
Alcunha: Pulguito
Esta entrada foi publicada em Alqueidão. ligação permanente.

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s