A Palmeira do Adro

A palmeira está doente. Foi contaminada por aquela doença que está a dizimar as palmeiras portuguesas e que é provocada por um escaravelho que vem do norte de África, e é dificílima de tratar. A ‘vacinação’ para evitar este mal é caríssima (ronda os 500 euros) e nem sempre resulta.

Se a palmeira ficar de pé, e sem tratamento vai morrer e contaminar outras árvores também, daí que, não sendo possível tratar, terá de se cortar e queimar.

A palmeira do Adro já faz parte da história desta terra. Ela foi plantada pelo ti João Rosinha em 1927, no mesmo dia em se faz uma peregrinação a pé a Fátima e se estreou a bandeira que ainda hoje é usada nas procissões.

João Rosinha

Ainda no mesmo dia, por ser o dia do casamento da Laura Sarrana com o  Manel Galo, o João Rosinha plantou também uma palmeira no jardim da casa dos noivos. Esta palmeira já não existe.

Palmeira Laura Sarrana

Antigamente nas festas de Nossa Senhora, a quermesse era feita com prateleiras de madeira que se colocavam à volta da palmeira do adro.

Nas festas de Agosto de 2015, a comissão de festas optou por fazer a decoração do Adro tendo a palmeira como centro.

Preparativos Festa 2015

No mês de Setembro de 2015 já a Palmeira começou a parecer um pouco despenteada e a partir dessa altura o seu estado piorou dia após dia.

DSC02853

A primeira tentativa para salvar a palmeira foi em 24 de Outubro de 2015.

Hipótese de cura: 10%.

DSC02870

 31 de Outubro de 2015

Com o vento muitas folhas vêm para o chão constituindo um perigo para quem atravessa o adro, pelo que a área foi vedada.

DSC02899

E a palmeira do Adro morreu. Ficou decidido que era seria retirada do Adro no fim de Abril de 2016.

PALMEIRA27 de Abril de 2016 foi o dia em que a Palmeira foi retirada do Adro da Igreja.

No Lugar da Palmeira

É agora necessário construir a calçada no lugar vazio que a Palmeira deixou. Foi em 28 de Maio de 2016 que os calceteiros contratados pela Junta de Freguesia levaram a cabo o trabalho de reconstrução da calçada do adro.

O presidente da junta, Filipe Batista, reconhece que não sabe assentar calçada, mas neste dia era ele o servente de calceteiro que transportou os materiais e os levou com o carrinhp de mão, para mais perto dos calceteiros.

Esta entrada foi publicada em Alqueidão. ligação permanente.

2 respostas a A Palmeira do Adro

  1. Tudo tem principio e fim. Alguns deixar saudades

    Gostar

  2. … Mas tudo tem um tempo.

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s