O Cemitério Paroquial

No livro “Alqueidão da Serra – Apontamentos para a sua história”, garante-se que até à vinda do Padre Manuel Afonso e Silva as pessoas eram sepultadas no adro da Igreja.

F93 8,5x11,5 Igreja no tempo do Padre Américo

O prior que antecedeu o Padre Afonso, (chamava-se Domingos José Lopes), escrevia em todos os assentos de óbito: “enterrado no adro”. O último, que lavrou, foi a 22 de Junho de 1861 e diz respeito a “Joaquim, innocente” .

O primeiro assento de óbito que o Padre Afonso registou, tem a data de 6 de Setembro de 1861 e nele se fala de Francisca de S. José, de “oitenta annos”, viúva de Manuel Jorge, mas não refere nada sobre o local onde foi sepultada.

Em 6 de Dezembro de 1878, surge o auto de falecimento e de enterro de “Maria, de cinco meses”, filha de José Vieira Santana e de Maria Joaquina, e nele se lê pela primeira vez que “foi sepultada no cemitério publico”.

Assim, terá sido, em 6 de Dezembro de 1878 que o cemitério paroquial principiou seus préstimos. Em 6 de Novembro de 2005 foi inaugurado um novo cemitério que foi construído num terreno próximo do cemitério antigo que não tinha qualquer possibilidade de ser alargado.

Cemitério

Alqueidão 148 099

Esta entrada foi publicada em Património Arquitectónico. ligação permanente.

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s