A Luz Eléctrica

Foi na primavera de 1960 que começaram a ser colocados os postes para o fornecimento de energia eléctrica, deixando na população aquela ansiedade de experimentar uma situação completamente nova, deixando para trás as velas e as candeias de azeite.

Foi construída a Cabine no centro da aldeia, e fizeram-se as ligações para o abastecimento das casas.

Para colocar as luzes e as fichas dentro das casas viveram dois electricistas do Reguengo do Fetal. Um deles tinha a  alcunha “Caga Lérias” e o outro chamava-se Agapito.

Estes sócios tinham zaragatas e discussões bastante aparatosas por causa da distribuição do trabalho, mas lá acabavam por cumprir o seu dever.

Aproveitaram até para vender alguns rádios eléctricos a algumas pessoas, o que acabou com a audiência que costumava ter o único rádio a pilhas que existia na Casa da Sociedade, onde o pessoal se juntava para ouvir as transmissões das cerimónias de Fátima.

A Casa da Sociedade

A Casa da Sociedade

No dia em que a electricidade alimentou pela primeira vês as tomadas das casas dos Alqueidoenses, fez-se uma grande festa na antiga Escola Primária (sitio da actual Casa do Povo).

Paulo Amado

Paulo Amado

O Sr. Paulo Amado e o Sr. Padre Américo, discursaram na presença dos membros da Junta de Freguesia de então, que era constituída por Carlos Vieira da Rosa (presidente), Francisco Patrão e José Bartolomeu Frazão (conhecido por Zé Frazãozico), e na presença do Presidente da Câmara que era o Dr. Cruz de Mira de Aire.

No momento em que as luzes se acenderam e os rádios tocaram pela primeira vez, foram lançados morteiros e houve até quem se comovesse até à lágrimas.

Depois do copo d’água oferecido à autoridades, o Padre Américo fez questão de levar a presidente da Câmara a passear pelas ruas em direcção à Igreja, a fim de lhe mostrar a bela iluminação desta, e o lindíssimo lustre iluminado pela primeira vez.

Entretanto algumas pessoas deram conta de que em suas casas nem as lâmpadas acendiam nem os rádios funcionavam, devido a instalações mal feitas, o que resultou numa grande procura ao Caga-Lérias e ao Agapito.

Passaram os anos, a electricidade tornou-se indispensável para garantir a qualidade de vida das pessoas, e o Alqueidão passou a ter um papel importante na produção de energia eléctrica.

Depois de alguns anos de medições da força do vento, e de estudos de impacto ambiental, teve início a construção do Parque Eólico do Chão Falcão que ficou concluído em 2005.

Parque Eólico

No início do funcionamento do Parque Eólico houve grande polémica por causa da repartição dos 2,5% dos rendimentos anuais, o que originou um processo em tribunal, mas  a decisão não foi favorável a esta freguesia.

A Junta de Freguesia recebeu uma verba nos primeiros cinco anos, mas durante o restante período de 20 anos de concessão, a percentagem nos proveitos do parque eólico instalado nesta freguesia, vai toda para a Câmara Municipal de Porto de Mós.

A Junta de Freguesia ficou com um orçamento insuficiente para responder às necessidades da população.

Continuando a apostar nas energias alternativas

Numa entrevista publicada no Jornal “O Portomosense” de 24 de Abril de 2013 o presidente da Junta de Freguesia, Rui Marto, afirmou que vai avançar com um projecto de microgeração.

O equipamento para a produção de energia eléctrica a partir da energia solar será instalado no antigo edifício sede da Junta de Freguesia, que actualmente está a ser usado pelo Coral Calçada Romana.

Esta entrada foi publicada em Condições de Vida. ligação permanente.

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s