2 de Outubro

1825

Do livro de registos de Baptismos da paróquia de Alcaria, consta que no dia 2 de Outubro de 1825 nasceu naquela Freguesia um menino a quem foi dado o nome de Manuel.

“Aos nove dias do mez de oitubro de mil oitocentos e vinte sinco nesta Parochial Igreja de Alcaria de minha licença baptizou o R.º João Ribeiro de Alcaria e pôs os Santos Oleos a Manoel que nasceo a dois do ditto mez e anno filho de João Afonço e de sua mulher Constancia Maria desta freguezia Netto Paterno de Jose da Silva e de sua mulher Maria Afonço Naturais e moradores no lugar e freguezia de Albados Netto Materno de Francisca Martins e de sua mulher Maria Rosa naturais e moradores neste lugar e freguezia de Alcaria forão padrinhos Monoel Afonço de Alvados tio Paterno do Baptizado e Vitoria Maria solteira do lugar do Zambujal tudo deste bispado de Leiria e para constar fiz este q asignei com o d.º Padrinho dia mez e anno ut supra”

Este menino veio a ser o Sr. Padre Manuel Afonso e Silva que foi prior de Alqueidão da Serra durante 35 anos.

Deve ter sido em meados de 1861 que o Padre Afonso tomou conta desta Freguesia, visto que o primeiro assento que ele assinou, tem a data de 24 de Junho desse ano.

DSCN0714Para assinalar o dia da sua chegada o Padre Afonso plantou o freixo que ainda hoje se encontra no adro da nossa Igreja.

A casa para onde foi viver ficava no Prazo (uma grande propriedade que ficava entre o antigo Caminho Velho, e a Rua da Chã). Era naquela altura, a melhor casa da região.

O estado espiritual em que encontrou esta sua nova freguesia era desastroso, mas o que mais o espantou foi a imoralidade.

O Padre Afonso rapidamente conquistou posição de onde podia chegar ao coração das pessoas. Os efeitos não tardaram e o Alqueidão começou a ser outro. Foi o Padre Afonso quem lhe fez conquistar de novo o brio e a dignidade.

Anteriormente à sua vinda, era muito difícil encontrar no Alqueidão quem soubesse ler ou escrever. Foi o Padre Afonso quem criou a primeira escola, que funcionava na sua própria casa e da qual ele era o único professor.

Na escola do Padre Afonso estudaram muitos nossos conterrâneos, entre eles:

  • O Padre João Vieira Amado, que paroquiou esta Freguesia e morreu em Torres Novas, onde também exerceu o ministério sacerdotal;
  • O Padre Joaquim Vieira da Rosa, pároco de Alpedriz, Porto de Mós e Alqueidão da Serra;
  • O Padre Júlio Pereira Roque, durante alguns anos coadjutor em Porto de Mós, Capelão da Condessa da Penha Longa, jornalista fogoso, de aprimorado estilo e aguda visão dos problemas político-religiosos, batalhador das lutas de Deus e da Pátria, a quem se deve, em boa parte, a restauração da Diocese de Leiria. A ele deve também esta Freguesia, o facto de o olival do Santíssimo não ter levado a mesma volta que levaram os frades de Alcobaça.;
  • O Padre Francisco Vieira Inácio, prior de Pataias e da Abrã;
  • O Padre Joaquim Pereira, que exerceu funções eclesiásticas em Loures e Nazaré, acabando seus dias como Vigário de Itacoatiara (Brasil);
  • O Padre Francisco Vieira Real, prior de Sesimbra, de cujo município, foi secretário;
  • O Padre António Vieira da Rosa, pároco do Juncal, Rio de Mouro e do Gradil
  • O Padre Francisco Vieira da Rosa, que foi Beneficiado e prior da Sé Patriarcal de Lisboa.
  • Lourenço da Costa, Fiscal Geral dos Hospitais Civis de Lisboa, cuja vida cheia de benemerências é um título de glória para a terra onde nasceu.
  • Afonso Vieira Dionísio, distinto e valente oficial da nossa Marinha Mercante durante a 1ª Grande Guerra.
  • João Soares, (pai do Dr.Mário Soares) Governador Civil da Guarda e de Braga, antigo Ministro, homem de muito altas e reais qualidades de carácter, de inteligência e de coração, herdadas de sua mãe.

Alguns  rapazes que estudaram na escola do Padre Afonso continuaram depois os seus estudos no Seminário de Santarém.

Mesmo depois de criada, por sua influência, a cadeira de instrução primária no Alqueidão, o Padre Afonso continuou com a sua escola aberta para os que não podiam frequentar a escola publica.

Para além da instrução primária, o Padre Manuel Afonso e Silva fez um vastíssimo trabalho para o desenvolvimento da nossa Freguesia. Das obras feitas por sua influência, destacam-se:

  •  A IGREJA — O templo, que veio encontrar, devia ser, com pequena diferença, a modesta capela que, em 1620, o Bispo Diocesano D. Martim Afonso de Mexia levantou à categoria de igreja paroquial. Mas estava em péssimas condições. Encontrava-se em estado impróprio da casa de Deus. O Padre Afonso transformou-a. Nesse tempo, a entrada principal dava para a estrada, ficando, portanto, a capela-mor, no lado oposto. Foi o Padre Afonso quem deu outra orientação à igreja, fazendo nela as modificações permitidas pelos magros recursos financeiros de então.
  • A SENHORA DA TOJEIRINHA — Das beneficiações introduzidas pelo Sr. Padre Afonso nesta velhíssima ermida dão fé as paredes da Capela-Mor. Nelas se vê onde, na parte velha, ligou o acrescento que a levou ao ponto em que a temos hoje.
  •  O CEMITÉRIO é também obra do Padre Afonso. Até à sua vinda, faziam-se no adro os enterramentos.
  •  A FONTE— Também aqui se estendeu à acção do Padre Afonso. Vinha de longe a luta de nossos avós com a falta de água.
  •  A ESTRADA — O Alqueidão vivia isolado e preso no cimo da serra onde estava implantado. Não tinha uma estrada que o ligasse à sede do Concelho. Ia-se até lá, descendo ao Falgar, cortando depois para os Tojeiros ou para o Zambujal e atravessando a Cunca, de onde, a meia encosta da Cabeça, se caminhava por um carreiro. Para obter os necessários melhoramentos teve o padre Afonso que se embrulhar nos enredos políticos daquele tempo, tendo a sua acção sido muitíssimo importante para a abertura da estrada.

Foi também o Sr. Padre Afonso quem pediu e obteve do Papa Pio IX, em 11 de Junho de 1872, os  privilégios espirituais do Jubileu de S. José.

O padre Manuel Afonso e Silva faleceu em 26 de Novembro de 1908. Tudo o que conseguiu amealhar ao longo dos anos deixou ao Seminário de Santarém e à sua terra adoptiva Alqueidão da Serra.

Esta entrada foi publicada em Datas com História. ligação permanente.

3 respostas a 2 de Outubro

  1. Obrigada Dulce, as historias que nos envias Sao deveras muito interessantes. Sera que alguem de direito sera capaz de iniciar a recuperacao da campa de tao ilustre personagem? Certamente, quando da minha proxima visita a Portugal irei carinhosamente procura-la .

    Gostar

  2. Mais um excelente trabalho … Parabéns Dulce.
    Pena … pena mesmo é que, numa terra como esta em que gente inteligente não falta ( a avaliar pela quantidade de drs) não haja, depois, gente com coragem para participar, elogiando ou não, mas assumindo opinião própria …!

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s