A Central de Alcatrão

Começou a ser construída na curva da Gateira, ao lado direito de quem vai para a Batalha. Já a construção estava bastante avançada quando a população se apercebeu de que a mesma seria para uma futura central de alcatrão.

Um grupo de pessoas que se deslocou à Câmara da Batalha tomou conhecimento de que não existia licença de construção.

A obra não tinha projecto, nem estudo de impacto ambiental, nem licenciamento e estava a ser construída numa zona abrangida pela Rede Natura 2000.

No dia 11 de Setembro de 2003  o Presidente da Câmara Municipal da Batalha procedeu ao embargo da obra, depois de ter recebido algumas denúncias por parte de habitantes do Alqueidão da Serra.

Em 4 de Outubro de 2003 cerca de 300 habitantes do Alqueidão da Serra, entre os quais algumas dezenas de crianças, manifestaram-se junto à obra contra a construção da Central de Asfalto.

“Não, não e não à central de alcatrão”, “Quem nos protege do terrorismo ambiental?”,  “Obra Clandestina, demolição já”, foram algumas das frases que os habitantes do Alqueidão da Serra escreveram em cartazes e gritaram bem alto.

O Presidente da Câmara da Batalha, convidado a prestar esclarecimentos, admitiu pela primeira vez a possibilidade de demolição.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Entretanto os Serviços de fiscalização da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional efectuaram uma fiscalização à obra e informaram que, visto que o local da obra estava inserido na Rede Natura era necessário o parecer vinculativo do Instituto de Conservação da Natureza (ICN).

Jornal O Portomosense 18 de Dezembro de 2003

Jornal O Portomosense 18 de Dezembro de 2003

Os habitantes do Alqueidão da Serra continuavam alerta, dispostos a fazer tudo para que a paisagem verde que os rodeia não se transformasse num estaleiro onde a poluição seria a tónica dominante.

No dia 26 de Outubro de 2003 a população subscreveu um abaixo assinado exigindo a demolição da Central de Asfalto ilegal. Foram recolhidas 600 assinaturas, num universo de 1300 cidadãos residentes, com mais de 18 anos. O abaixo assinado foi entregue em mão ao Sr. Presidente da Câmara Municipal da Batalha, e também ao Secretário de Estado do Ambiente por ocasião da inauguração da ETAR no Juncal, e posteriormente foi também enviado ao ICN.

No dia 7 de Novembro de 2003 o Parque Natural da Serra D’Aire e Candeeiros enviou um Auto de Notícia aos proprietários da Obra, que já tinha sido embargada pela Câmara da Batalha, mas nada disto impediu que fossem feitas novas paredes e colocados os 3 depósitos de gás e outras plataformas de betão e metal.

Jornal O Portomosense 20 de Novembro de 2003

Jornal O Portomosense 20 de Novembro de 2003

Em 2 de Dezembro de 2003 a Acção de Fiscalização da Direcção Regional do Centro do Ministério da Economia verificou que a central de asfalto estava a laborar em situação ilegal e levantou Auto de Notícia.

Jornal de Leiria 15 de Janeiro de 2004

Jornal de Leiria 15 de Janeiro de 2004

Os habitantes do Alqueidão da Serra continuaram a lutar pela demolição da central que iria colocar em risco a qualidade do ar que respiramos.

Diário de Leiria 13 de Janeiro de 2004

Em 20 de Dezembro de 2003 subscreveram o iniciaram o envio pelo correio de postais de boas festas endereçados ao Presidente da Câmara da Batalha, ao Presidente do ICN e à Direcção Regional do Centro do Ministério da Ecomomia manifestando a sua repulsa pela construção ilegal da Central de Asfalto.

Foram enviado 1000 postais ilustrados com a fotografia da Central de Asfalto junto à extensa mata de carvalhos (única no País) e com a mensagem “não queremos este presente envenenado”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em 2 de Janeiro de 2004 o Presidente da Liga de Protecção da Natureza manifestou total solidariedade aos habitantes do Alqueidão da Serra e autorizou a vinculação da Liga à exigência de demolição da Central de Asfalto e consequente reposição dos carvalhos destruídos com as obras.

Os responsáveis pela obra foram impedidos de trabalhar depois de terem recebido o parecer vinculativo do ICN. Só o tribunal poderia decidir se a obra seria demolida.

A central de alcatrão, embora sem funcionar, continuou de pé até ao verão de 2013, altura em que foi competamente desmantelada.

O Jornal de Leiria, na sua edição de 20 de Fevereiro de 2014 assinalou o desmantelamento da central de alcatrão em Alqueidão da Serra (link abaixo)

Esta entrada foi publicada em Condições de Vida. ligação permanente.

2 respostas a A Central de Alcatrão

  1. Anónimo diz:

    Excelente exemplo de Cidadania actuante!
    Antonio Poças-Porto de Mós

    Gostar

  2. Anónimo diz:

    boa” malha”.um abraço

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s