1 de Novembro

1755

O terramoto fez-se sentir na manhã de 1 de Novembro. O epicentro foi no mar, entre 150 a 500 quilómetros a sudoeste de Lisboa.  A magnitude pode ter atingido 9 na escala Richter.

Os abalos causaram  fissuras enormes de que ainda hoje há vestígios em Lisboa. O tsunami, que se seguiu (supõe-se que possa ter atingido pelo menos seis metros de altura), fez submergir o porto e o centro da cidade, as águas penetraram até Campo de Ourique. Nas áreas que não foram afectadas pelo tsunami, o fogo alastrou e os incêndios duraram pelo menos cinco dias.

Todo o sul de Portugal, sobretudo o Algarve, foi atingido e a destruição foi generalizada.  As ondas de choque do sismo foram sentidas por toda a Europa e norte da África.

O que se passou no Alqueidão da Serra, foi relatado pelo pároco da freguesia, que na altura era o padre Sebastião Vaz, que respondeu a um questionário que lhe tinha sido enviado pelo Senhor Bispo de Leiria,  sobre os estragos provocados pelo terramoto na freguesia:

1 – A que horas principiou o Terremoto do primeiro de Novembro, e que tempo durou?

 – Pellas nove horas e hum quarto da manhan pouco mais ou menos principeava, e se percebeo nesta freguesia o primeiro Terremoto do primeiro de Novembro de 1755; e estando eu no conficionario tanto que percebi o que hera, e vendo concorrer a gente para a Igreja que pouca ficou que não fugisse a ella vendo a todas as pessoas em altas vozes pedindo a Deus Nosso Senhor Mizericordia asendi a sera no Altar abri a porta do Sacrario, e diçe a todos fizeçem o acto de contrição, e os absolvi, e hum Sacerdote que tambem estava diçe que me absolvesse, e tendo assim o Sacrario principiamos a Rezar alguns preses e oraçois huns Rezando ou pedindo Mizericordia que sertamente ninguem cuidou senão que hera o ultimo dia da vida para o Mundo todo; e neste tempo me chamaram para hum Sacramento e pella preça com que fui não pude julgar o tempo que duraria o Terremoto; Mas sempre julguei que seria sinco minutos pouco mais ou menos.

2 – Se se percebeu, que fosse maior o impulso de huma parte, que da outra, v.g. do Norte para o Sul, ou pelo contrario, e se parece, que cahirão mais ruinas para huma, que para outra parte?

– No tempo que estive na Igreja reparei que o impulsso seria maior da parte do Poente para o Nascente, por ver hum banco, que estava junto a mim, que se lavantava da parte do Poente para a parte do Nascente, e tambem alguas vezes se levantava do Nascente para a parte do Poente, mas não era com tanta forsa. Esta Igreja teve sua Ruina para a parte do Nascente, que ficou para ahi a parede inclinada, ao que já mandei acudir do modo possivel.

3 – Que numero de cazas arruinaria em cada Freguezia, se havia nella edificios notaveis e o estado, em que ficarão?

– Não se aRuinou caza alguma nesta minha freguezia. Nem sei que ficaçem em prigo algum, nem ha mais edefiçios, que esta Igreja, desta Feguezia, e huma ermida de Santa Catherina, que algum damno teve; mas foi quazi nada so se abrirão mais humas rachas que tinha nas paredes, que ja mandei Reteficar.

4 – Que pessoas morrerão, se algumas erão distintas?

– Não tenho que dizer neste Capitulo.

5 – Que novidade se vio no mar, nas fontes, e nos rios?

– A fonte ficou nella a agoa muito suja, de tal maneira que forão algumas pessoas para a buscar, e não a quizerão trazer e huma pessoa me dice que não corria como dantes.

6 – Se a maré vazou primeiro, ou encheu? Quantos palmos cresceu mais do ordinario? Quantas vezes se percebeu o fluxo, e refluxo extraordinario? Se se reparou no tempo que gastava em baxar a agoa, e quanto em tornar a encher?

– Tambem não tenho que dizer neste Capitulo.

7 – Se abrio a Terra algumas boccas, o que nellas se notou, e se rebentou alguma fonte de novo?

– Nem tambem neste.

8 – Que providências se derão immediatamente em cada lugar pelo Ecclesiastico, pelos Militares, e pelos Ministros?

– Logo, que se acabou o primeiro Terremoto fui fazer doutrina a meus freguezes; e estando á ela veio o segundo Terremoto, e logo sem mais demoras, eu, e os mais Sacerdotes que prezentes estavão fomos em procição cantando o terço de Nossa Senhora para huma Ermida da mesma Senhora com o titulo de Togeirinha que está neste lugar, mas na freguesia de S. João de Porto de Mos e se continuou por nove dias continuos os quais acabados se principiou outra novena ao Senhor S. Jose, e no fim sua festa com dois Sermois manhan e tarde, e huma procição com seus Endores, que não se fez ainda outra nesta freguezia semelhante, e passados quinze dias, se tornou a Repetir outra festa ao mesmo Senhor S. Jose Orago desta Freguezia; as devoçõis vam continuando, ás Ave Marias, Terço de Maria Santissima, e ao dipois Terço do Santissimo, como ja dantes se fazia; queira Nossa Senhora que não se enfade a gente.

9 – Que Terremotos tem repetido depois do primeiro de Novembro, em que tempo, e que damno tem feito? Se há memoria de que em algum tempo houvesse Terremoto, e que danmo fez em cada lugar?

– Haverá pouco mais ou menos vinte annos me dice hum clerigo que estando hum dia de noite estudando, sentira hum grande tremor de terra, e me perguntou se sentira eu; porque, tamburetes e menza aonde elle estava fizera grande movimento, e que tivera munto grande medo.

10 – Que numero de Pessoas tem cada huma Freguezia declarando se poder ser, quantas há de diferente Sexo?

– As pessoas que há nesta Freguezia do masculino sexo sam cento, e vinte, e nove, e do sexo feminino, cento, e quorenta.

11 – Se se experimentou alguma falta de mantimentos?

– Neste não tenho que dizer.

12 – Se houve incendio, que tempo durou, e que damno fez?

– Tambem neste não há que dizer.

E isto he o que soube ter suçedido nesta Freguezia de S. Jozé do Alqueidão da Serra deste Bispado de Leiria.

Menor Subdito de Vossa Excellencia Reverendissima

O Cura Sebastiam Vaz”

Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), “Ministério do Reino”, maço 638
 

https://youtu.be/fKigEJj3iVI

Esta entrada foi publicada em Datas com História. ligação permanente.

2 respostas a 1 de Novembro

  1. Maria do Céu Gomes diz:

    Um documento histórico com uma interessante e pormenorizada descrição dos abalos de terra sentidos no Alqueidão da Serra, como consequência do grande terramoto de 1 de Novembro de 1755, que destruiu Lisboa e matou centenas de pessoas.
    De assinalar a escrita rica em erros ortográficos, que se compreende devido às fraca escolaridade que nessa época existia para as pessoas do povo, de onde esse eclesiástico certamente era originário.

    Gostar

  2. Maria Matos Amado diz:

    As historias que a Dulce partilha com os Alqueidenenses sao dignas de reconhecida apreciacao, especialmente para os ausentes do nosso pais , alguns ha mais de meio seculo. Bem haja.

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s