A Fonte Velha

O Alqueidão nasceu num sítio pedregoso, carateristicamente sequeiro, e o facto é que a água tão necessária à vida do homem, não aparecia na natureza que nos rodeia.

Os romanos que habitaram esta região, e que se dedicaram à exploração do ferro na zona dos Vieiros, foram os primeiros a procurar a água tão necessária para o seu uso pessoal e industrial, e encontraram-na em abundância num local que todos conhecemos pelo nome de “Lagar”.

Esta é a mais velha captação particular de águas subterrâneas de quantas se conhecem nesta Freguesia. Ninguém se lembra da sua origem. É a mais remota e a única no seu género.

Consta de uma galeria, praticada no tufo local, a céu aberto e orientada no sentido Poente-Nascente. No fim dela, após um breve desnível, abre-se a mina subterrânea que se orienta para o Norte. Não consta que, alguma vez, tenha sido explorada até ao fim, no sentido do comprimento.

E porque se chamará Lagar a esta tão grande e farta nascente? Consta que um dos antigos proprietários da Mina, com as suas engenhoquices para facilitar a extracção da água, colocou lá uma peça de um lagar de azeite.

A Fonte abriu-se na parede que suporta as terras do Lagar. A água corria livremente de dia e de noite sem nunca parar, e foi ela que deu o nome de “Ribeiro” ao caminho que hoje ainda conhecemos por o “Caminho do Ribeiro”.

O Caminho do Ribeiro

O abastecimento da fonte provinha exclusivamente do caudal da mina do “Lagar”, de onde se encaminhava por conduta subterrânea até à bica por onde se escoava.

Durante que período de tempo se terá o povo abastecido nesta fonte? Ninguém o sabe, no entanto, uma das probabilidades é quando a população teve água no sítio onde se estabeleceu a fonte que serviu a população durante mais de 300 anos, com sucessivas pesquisas e notáveis alterações no seu conjunto.

A darmos crédito a um documento referente à Confraria de Santo Estêvão, a fonte situada no “Caminho do Ribeiro” já no dia 2 de Março de 1688 tinha uma substituta. Nesta altura ela já era tratada por a “Fonte Velha”.

Pouco a pouco a “Fonte Velha” deixou de ter serventia, até que secou, ficando na parede a memória da sua existência.

DSCN7745

Tempo veio em que até esta memória desapareceu por exigência de arranjos de conservação do velho suporte de terras. A tudo isto sucedeu o esquecimento completo.

Falar na Fonte passou a ser o mesmo que dizer aquela que a substituiu, e que também desapareceu por completo, ficando em seu lugar o fontanário que conhecemos actualmente.

A Fonte em 2013

Figure cada um na sua imaginação, a descida de dois pequenos lanços de degraus que deixavam a gente no patim da Fonte. Entretanto virando-nos para sul, logo à mão direita ficava o que todos chamavamos “A Fonte”, por excelência.

Era uma espécie de tanque, todo metido no chão, formado por quatro grandes lajes  com cerca de 1,70 de altura e 1,50 de largo, e o fundo igualmente de pedra.

Este reservatório tinha em cima uma cúpula de quatro faces inclinadas feitas de tijolo, rebocado e caiado. No bico terminal das quatro faces havia um pequeno e simples florão de cantaria, até onde as crianças trepavam fincado a ponta do pé em pequenas escavações, abertas no tijolo.

A cúpula assentava numa cimalha de cantaria, sobre a qual era possível andar em volta da cobertura, com algum atrevimento. Só a parte que ficou virada a Poente ficou aberta na sua quase totalidade. Era nesta ampla e alta abertura que as pessoas mergulhavam cântaros e as bilhas.

fonte

Construída para substituir a Fonte Velha do “Caminho do Ribeiro”, deram-lhe por nome “A Fonte”.

Desapareceu quando o seu conjunto arquitectónico foi estupidamente demolido e soterrado por uma terraplanagem feita sem a menor sensibilidade e sem qualquer noção do valor do património espiritual e material desta Freguesia.

“Fonte de posso” lhe chamou o Padre Sebastião Vaz em 1758, de acordo com a terminologia da época, quando lhe deram o encargo de  fazer o relatório dos estragos provocados pelo terramoto de 1755 nesta aldeia.

“Fonte de mergulho” e “fonte de chafurdo” se foram designando as fontes iguais a ela, nas quais a água se obtinha mergulhando a bilha com jeito, ou chafurdando tudo sem cuidado. A do Alqueidão, enquanto não chegou o vergonhoso fim que lhe deram, foi sempre na boca de toda a gente, “A Fonte”.

Sucedeu isto milhentas vezes, ao longo daqueles verões quentes e prolongados que obrigavam a péguia a baixar e faziam com que as bicas de metal, apenas deitassem um fininho fio de água: ficavam no patim uma tal restolhada de cântaros e de quartas que mal cabia um pé… E toda a gente ardia em pressa de se despachar.

Debaixo das bicas, os cântaros iam enchendo, aos pares, com enervante morosidade. Junto deles os donos aguardavam a vez de os retirar do sitio em que enchiam.

Mas, tão débil fio de água corria que acontecia muitas vezes eles bordarem e ninguém se aperceber do caso. Verificado isto, ouvia-se o lamento geral pelo facto de “estar a correr para a Fonte”. Aqui, “A Fonte” era o tal reservatório, de cúpula em formato de pirâmide, para o qual passava toda a água que as bicas deitassem e que não fosse aproveitada para encher os cântaros.

Carreirancha

A água da nascente do Lagar, mesmo depois de a Fonte Velha ter desaparecido, continuou a alimentar o poço da fonte e todos os outros poços existentes na Várzea.

Com o aumento da população, e com a adopção de novos hábitos de higiene, foi feito o abastecimento domiciliar e, com a colocação das bombas no poço da Fonte secaram todos os poços da Várzea. O caudal da Mina deixou de ter qualquer expressão, e com o passar do tempo a Mina ficou completamente abandonada, estando, nos dias que vão correndo, completamente coberta por silvas.

DSCN7749

DSCN7736

Esta entrada foi publicada em Património Arquitectónico. ligação permanente.

3 respostas a A Fonte Velha

  1. Silvestre Franklim diz:

    Gente que apaga o passado … gente que adultera o passado
    Gente que se pensa gente …

    Gostar

  2. Maria Matos Amado diz:

    Dulce, fazes um trabalho maravilhoso, obrigada por tao interessante informacao

    Gostar

  3. Maria Matos Amado diz:

    Foi defacto uma decisao infeliz quando alguem decidiu demolir a fonte que eu conheci. Foi um desapontamento imenso quando vi tal realidade. Infortunio!!!

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s