Santos Populares

Junho é o Mês dos Santos Populares, com festas por todo o país nas noites de Santo António,  São João e São Pedro.

Santo António

Festeja-se por todo o país mas principalmente em Lisboa de 12 para 13 de Junho, dia de Santo António, padroeiro da cidade. As marchas populares de cada bairro desfilam pela Avenida da Liberdade, enchendo-a com  centenas de figurantes, muita música e muito público.

São João

A cidade onde os festejos são maiores é no Porto onde o dia 24 de Junho é feriado municipal. Na noite de 23 para 24 de Junho, a população sai à rua para festejar. Um dos símbolos desta festa é o manjerico, assim como os martelos de plástico e os alhos porros.

São Pedro

O dia de São Pedro comemora-se a 29 de Junho, feriado municipal em Porto de Mós. Da tradição destas festas, fazem parte exposições, muita musica, e tasquinhas, etc.

Em 1993 o Alqueidão esteve presente nas Marchas de São Pedro em Porto de Mós.

Marcha do Alqueidão da Serra

Carlos Pinção foi o autor da letra e a musica era de Tozé Crachat.

 
Moínhos, Estrada Romana,
Bouceiros e Carreirancha;
Cruzeiro, Igreja Matriz,
Não me saem da lembrança.
 
 
Refrão
 
A marcha do Alqueidão,
Vem toda para a rua,
Rapazes e raparigas
Vão dançando à luz da lua.
A marcha do Alqueidão
Com todo o seu coração,
Vem às festas de São Pedro
de arquinho e balão.
 
Alqueidão e sua gente,
honrada e trabalhadora,
fazendo com o seu trabalho
uma terra sonhadora.
 
Alqueidão tem seu valor,
Pedra preta ornamental,
Tua pedra, tua cor
Embelezam Portugal
 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os Santos Populares no Alqueidão da Serra

Antigamente festejavam-se no Alqueidão, os dias de Santo António, o de S. Pedro e o de S. João, sendo este último o mais festejado.

Primeiro, com alguma antecedência fazia-se a apanha e seca da pimenteira, do tojo molar e outras espécies, de forma a que tudo estivesse preparado no dia 23. Neste dia, na parte da tarde, colocava-se tudo no local escolhido para a fogueira.

Num dos largos da terra, cavava-se um buraco no qual era espetado um tronco de carvalho ou de chaparreiro, o qual se atacava lateralmente com terra e pedras, de forma que se aguentasse em pé, bem vertical, até ao fim.

Depois disto colocava-se à volta a pimenteira e o tojo molar, em camadas que se sobrepunham à mistura com alecrim, sargaços, estevas, morganiça, carrascos e pequenos ramos doutras árvores que serviam para travar o conjunto, de forma que a fogueira se aguentasse por mais tempo, visto que a pimenteira e o tojo secos, ardem muito rapidamente.

Pelo meio de tudo isto, iam “semeando” bombas de foguete, bichas-de-rabear e pequenas partes de pedras que se escolhiam, no Pregal do Órfão. Todos estes elementos, no seu dado tempo, estrelejavam produzindo efeitos diversos, enquanto o crepitar da fogueira ia crescendo. Os mais pequenos andavam sempre atarefados a colocar braçadas de combustível.

Depois da ceia é que começava a função. Ninguém se fazia surdo ou ficava indiferente. Excluindo os doentes e os que estavam de luto, todos quantos podiam iam direitinhos ao local onde estava a fogueira do “S. João”.

Cantavam-se os versos consagrados pela tradição local, e que foram mantidos pelas gerações fora.

João já vem perto,
Havemo-lo de ir esperar
À Ribeira de Peniche,
À sombra dum laranjal.

Santo António é a treze,
João a vinte e quatro
Pedro a vinte e nove
Por ser a santo mais nobre.

Pedro e S. João
Ambos no céu têm cadeira;
Quando vão em procissão
João leva a bandeira.

João leva a bandeira
E S. Pedro leva a cruz;
E a Virgem Nossa Senhora
Leva o Menino Jesus.

Eu hei-de ir ao S. João,
Ao S. João hei-de ir;
Mas não hei-de levar nada,
Antes lo quero pedir.

Eu hei-de ir ao S. João,
Não hei-de levar chapéu;
Hei-de ir por Alcobaça
Ver o retrato do Céu.

Ó S. João, S. João!
Ó S. João, meu velhinho
Hades ser o meu compadre,
Do meu primeiro filhinho.

Ó S. João, S. João!
Ó S. João, meu amor!
Abre-me as portas do Céu,
Quero ver o meu Senhor.

João adormeceu,
Nas escadas do Rocio,
Vamos cobri-lo de rosas,
Que ‘stá a tremer com frio.

João p’ra ver as moças,
Fez uma fonte de prata;
As moças não foram lá…
João chora que se mata!

João era bom santo,
Mas era muito gaiato…
Vai com as moças à fonte,
Leva três e traz quatro…

Levanta-te ó S. João,
Ao acender das fogueiras,
Passa pela minha porta,
Que as minhas são as primeiras.

Levantem-se ó raparigas,
Vamos ao Rio Jordão.
Vamos ver as alcachofras,
Se estão abertas ó não.

Se elas ’tiverem abertas,
Largaremo-nos a cantar:
Se elas ‘tiverem fechadas,
Largaremo-nos a chorar.

Naquela relvinha verde,
Foi a minha perdição;
Perdi lá meu anel d’oiro,
Na noite de S. João.

João baptizou Cristo,
Cristo baptizou João;
Ambos foram baptizados,
Lá no rio de Jordão.

Donde vens, ó S. João,
Que vens tão arrovalhado?
Venho de baptizar a Cristo…
Também venho baptizado.

Donde vens, ó S. João,
Descalcinho, sem chapéu?
Venho de ver as fogueiras,
Que os anjos fazem no céu.

Ai, meninas, ai, ai, ai!
Lá o S. João se vai!…
Se ele vai, deixá-lo ir…
Se ele é santo, torna a vir!

Quando as últimas farripas da pimenteira caiam a arder sobre as cinzas quentes do lastro é que estava altura de começar a saltar a fogueira. Ninguém desistia enquanto houvesse o menor vestígio de brasido.

Esta entrada foi publicada em Costumes e Tradições. ligação permanente.

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s