A Saloia do Carolino

Chamava-se Maria Amado, nasceu no Alqueidão a 27 de Janeiro de 1906 e foi batizada logo no dia 4 do mês seguinte.

Veio a casar com António dos Santos, mais conhecido por José Carolino, em Agosto de 1930. Chamavam-lhe Maria Saloia.

Seu marido, o ti Zé Carolino, era um homem alegre, sempre bem disposto e amigo de contar as anedotas mais brejeiras. Ele era indispensável em tudo quanto eram pequenas obras e  arranjos que era necessário fazer na igreja, e na preparação das festas religiosas. Durante muitos anos, ele e a esposa fizeram urnas (caixões) artesanalmente, para sepultar os seus conterrâneos. Os últimos enfeites era a ti Maria Saloia que fazia.

Mãe de 11 filhos, que criou com enormes dificuldades, uma vez que o sustento provinha unicamente de um velho moinho de onde retirava algum dinheiro e umas tigelas de farinha. Por vezes a única refeição do dia era um prato de papas de farinha de milho.

Muitas vezes ela dispensou farinha a quem não podia pagar, e esperou pacientemente por melhores dias…

Desde sempre em sua casa o terço se rezou em família, à lareira, e aos seus filhos contava histórias bíblicas e os acontecimentos de Fátima em 1917, a que assistiu, e que marcaram profundamente toda a sua vida.

Era grande a sua devoção a Nossa Senhora.

saloia

Maria Amado: a primeira à esquerda, no Centro de Dia de Alqueidão da Serra

Contava que em 13 de Outubro de 1917, foi a Fátima com a sua mãe e um grupo de pessoas do Alqueidão. Tinha então onze anos. Levava pela cabeça uma saia de riscadilho, e na mão uma saca de retalhos com meia broa e sardinhas fritas.

Deixou o farnel junto a uma figueira, e correu para perto da azinheira. De lá viu tudo. Assistiu ao milagre do Sol. Com uma grande lucidez de memória falava de Lúcia, do sol a girar e da chuva que se fez sentir nesse dia, e como de repente ficou tudo seco, como se não tivesse chovido nada.

Burro, Benvinda e Maria Saloia

com-tia-florinda-ti-maria-joana-andreia-saragoca-ti-verginia-ti-conceicao-mae-do-marinha-patricia-carvalho-e-ti-saloia

A ti Maria Saloia não sabia escrever, mas aprendeu a juntar as letras e lia muito.

A Bíblia era o seu livro de cabeceira, mas para além disso ela lia tudo sobre Fátima, e os jornais de índole religiosa da Diocese.

Era também devota de Santo António, e por isso muitas pessoas iam ter com ela para que rezasse o Responso, quando perdiam alguma coisa.

Vitima da doença de Parkinson, tremia muito e tinha uma enorme dificuldade em falar. Nos últimos anos da sua vida, frequentou o Centro de Dia de Alqueidão da Serra, onde era muito estimada por todos.

centro-de-dia

Faleceu em Agosto de 1994. O seu funeral foi uma grande manifestação de amor, admiração e pesar. Ficou sepultada no cemitério de Alqueidão da Serra.

Esta entrada foi publicada em Biografias. ligação permanente.

Uma resposta a A Saloia do Carolino

  1. Joaquim Fernando Vieira Ramos diz:

    A família retratada eram meus tios avós. Conheci muito bem a minha tia avó Maria Saloia, embora não conhecesse a sua história, no entanto e ainda garoto tive o prazer de privar com ele, nomeadamente quando fazia as montagens da das arenas para a realização das célebres vacadas por ocasião das Festas de S. Pedro em Porto de Mós.

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s