Águas de Março

Antigamente, quando as tempestades não tinham nomes, chovia durante meses inteiros. No inverno quase nunca se via o sol, chovia, trovejava, caía granizo, fazia vento e frio. Era inverno.

A água da chuva enchia os poços e pias que existiam perto das nossas casas, e os poços da Várzea ficavam com água suficiente para regar durante o verão.

A água corria das bicas da fonte dia e noite sem nunca parar, e quando a água bordava para fora da pia ia encher os tanques de lavar a roupa.

Corria um rio no vale da Valicova, e um ribeiro onde hoje é o Caminho do Ribeiro. As crianças desciam os degraus de pedra que davam acesso à mina e bebiam água da nascente com a ajuda de uma folha de couve.

Em Março, com a chegada da primavera brotavam nos campos inúmeras plantas e flores silvestres das mais variadas espécies, a maior parte com propriedades medicinais.

Ao longo do tempo começou a verificar-se um aumento da temperatura global, devido não só a causas naturais, mas também a agressões ao meio ambiente provocadas pelos seres humanos.

O aumento do uso de combustíveis fósseis (gasóleo e gasolina), aumentou a emissão dos gases do efeito de estufa.

Os incêndios e o desmatamento das florestas também contribuem para o aumento da temperatura. É que as árvores para além de produzirem o oxigénio que respiramos, têm também a função de amenizar as temperaturas através do controle da humidade.

Consequências do Aquecimento Global

  • Intensificação de catástrofes climáticas, tais como furacões e tornados, secas, chuvas irregulares, entre outros fenómenos meteorológicos de difícil controle e previsão;
  • Extinção de espécies devido às condições ambientais adversas para a maioria delas.

Tudo está a acontecer demasiado rápido. Alterações climáticas que, por causas naturais, aconteceriam ao longo dos séculos, verificam-se em apenas dez anos.

O ano de 2017 foi extremamente quente e seco. A partir do final do mês de Setembro o IPMA classificou todo o território português na situação de seca severa.

Em Outubro deflagraram incêndios por todo o país, causando perdas irreparáveis, vidas desfeitas, famílias destroçadas, florestas destruídas. A região centro atingiu o nível ‘mau’, o pior do índice de qualidade do ar, devido aos incêndios.

Foram várias as razões que nos levaram a esta calamidade,trovoada seca, comportamentos de risco, mão criminosa, queimadas, etc.

Para evitar que tal volte a acontecer,  o Governo começa então a ameaçar com multas pesadas, enquanto avisa: “Até 15 de Março limpe o mato e corte árvores à volta da sua casa”.

Sem se conhecer bem os pormenores da lei, e para evitar as multas, limpar mato 50 metros em volta da casa, significa cortar arbustos com flores que atraem as abelhas, ervas aromáticas, flores, árvores de fruto e árvores de pequeno porte, ou seja é uma agressão ao meio ambiente ainda maior que um incêndio. Acaba com a biodiversidade.

2017/2018

No inverno não choveu.  Em Março de 2018, no mês da Primavera, chegou a chuva. Muita chuva.

As tempestades ‘Félix’ e ‘Gisele’ provocaram chuva forte no Norte e Centro, o que levou a que, nestas regiões, o volume de armazenamento das barragens fosse superior ao habitual para a época.

A 17 de Março, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou para a possibilidade de queda de árvores, cheias rápidas e acidentes na orla costeira devido às previsões de chuva, vento e agitação marítima. Aproxima-se uma tempestade que se chama Hugo.

Foi em 2015 que as tempestades começaram a ter nomes, porque, dizem os entendidos, isto faz com que as pessoas estejam mais atentas aos avisos e alertas meteorológicos.

Para se ter uma ideia da transformação extraordinária operada pelas chuvas de Março basta ver que no final de Fevereiro 83,1% do país estava em seca severa e 1,3% em seca extrema, e a meio do mês de Março só 21% ainda tem seca fraca. Esta é a diferença que a chuva faz.

Lembrando a musica cantada por Elis Regina em 1974, “São as águas de Março fechando o verão. É promessa de vida no teu coração”, pode dizer-se que em Portugal, em 2018, as águas de Março fecham o Inverno e são uma promessa de vida para todo o país.

 

 

Esta entrada foi publicada em Alqueidão. ligação permanente.

2 respostas a Águas de Março

  1. suseli aparecida dos santos pereira diz:

    Simplesmente ” triste” não só por Portugal, mas a todos o Planeta pois o homem levado pelos excessos em tudo, está levando nosso planeta a esse triste caos…. A essa degradação dos ecossistemas…Apenas tudo muito triste!!!!!

    Gostar

  2. BeckyB diz:

    It is so lovely to see the rains, such a difference it is making to the Algarvian hills, dams and rivers. I only wish though the storms had spread themselves across the past four months rather than falling in just two weeks!

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s