Jupéro e a Restauração da Diocese

…continuação

Primeiras Dificuldades

Igreja de S. João, em Porto de Mós onde o P. Júlio exerceu funções de coadjutor

Aproveitando a tribuna que tinha disponível, as páginas do singelo semanário “O Portomosense”, Jupéro iniciou sozinho a campanha pela restauração da diocese tendo apenas diante de si uma folha de papel em branco onde escreveu o histórico artigo de opinião “Um Alvitre”, a sua proposta de restauração da diocese. A mensagem espalhou-se como o som de um trovão e eclodiu por toda a antiga diocese de Leiria chegando mesmo ao Patriarcado de Lisboa onde foi recebida com desconforto.

Cedo o padre Júlio percebeu que não poderia contar com o apoio e muito menos com a cumplicidade do ilustre leiriense sagrado bispo Auxiliar de Lisboa. Mas esse facto não o fez desistir, bem pelo contrário. Com as suas crónicas Jupéro foi beliscando desassombradamente os poderes instituídos em Lisboa e Coimbra embaraçando, sempre com elevação, as duas dioceses que repartiam entre si, por ordem papal, a soberania do antigo bispado de Leiria.

  1. José Alves de Matos, o bispo auxiliar de Lisboa, foi dando respostas indiretas às crónicas de Jupéro procurando demovê-lo da sua campanha com persuasivos e insistentes convites para que aceitasse exercer funções de capelania na quinta de sua amiga a Condessa de Penha Longa, em Sintra, onde seria bem remunerado e teria uma vida confortável.

 “V.ª Rev.ma ficaria assim em excelentes condições de se entregar às lides da imprensa católica”, escreve o arcebispo num dos convites com data de março de 1905 dirigido ao padre Júlio.

Mas as dificuldades para a causa da restauração da Diocese vinham também do ambiente político da época. A causa republicana, ganhando terreno no país, perturbava as possibilidades de sucesso da missão de Jupéro.

continua…
(O autor destes textos, João Amado Gabriel, é sobrinho bisneto do Padre Júlio Pereira Roque. É jornalista e exerce funções de repórter de imagem na TVI.)
Esta entrada foi publicada em Restauração da Diocese. ligação permanente.

5 respostas a Jupéro e a Restauração da Diocese

  1. Jorge dos Reis Amado diz:

    Já agora, alguém se lembra do Hino do Bispo Novo, que aprendemos aquando da visita do bispo D. Manuel Pereira Venâncio ao Alqueidão, por volta de 1954 ou 1955?

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s