O Quarto Rei Mago

Diz-se que havia um quarto Rei Mago, que também viu brilhar a estrela sobre Belém e decidiu segui-la, e levar como presente ao menino um cofre cheio de pérolas preciosas.

No caminho, ele foi encontrando diversas pessoas que precisavam de ajuda. Ele atendia-as com alegria e diligência, estava com elas o tempo que fosse preciso e ia deixando uma pérola a cada um.

Este comportamento atrasou muito a sua viagem, e o seu cofre foi ficando vazio. Encontrou muitos pobres, doentes, encarcerados e miseráveis, e não podia deixar de os socorrer. Ficava com eles o tempo necessário para aliviar as suas mágoas e depois continuava o seu caminho, até ser interrompido novamente.

Quando finalmente conseguiu chegar a Belém, os outros Magos já não estavam lá, e a Criança tinha fugido com seus pais para o Egito, pois o Rei Herodes queria matá-lo.

O Rei Mago continuou a procurar a Criança mas já sem a estrela que antes o guiava. Procurou e procurou e procurou. Durante muitos anos percorreu a terra à procura da criança enquanto ajudava os necessitados que encontrava pelo caminho.

Um dia chegou em Jerusalém, no momento em que uma multidão enfurecida pedia a morte de um pobre homem. Olhando para ele, reconheceu nos seus olhos algo familiar. Entre a dor, o sangue e o sofrimento, via-se o brilho daquela estrela.

Aquele miserável era a Criança que por tanto tempo ele tinha procurado. A tristeza encheu o seu coração já velho e cansado. Embora ainda guardasse uma pérola no seu saco, já era tarde demais para oferecer à Criança que agora era um homem pendurado numa Cruz.

Sentido que falhou a sua missão, velho, cansado, e sem ter para onde ir, decidiu ficar em Jerusalém e esperar que a morte o levasse.

Apenas passaram três dias quando uma luz ainda mais brilhante que mil estrelas encheu o seu quarto. Era Jesus Ressuscitado que vinha ao seu encontro! O Rei Mago, caindo de joelhos, pegou a pérola que lhe restava e estendeu a mão enquanto fazia uma reverência. Jesus pegou ternamente e disse:

′′ Você não fracassou. Você me encontrou durante toda a sua vida. Eu estava nu e você me vestiu. Eu estava com fome e você me deu de comer. Tive sede e você me deu de beber. Estive preso e você me visitou. Pois eu estava em todos os pobres que você atendeu no seu caminho. Muito obrigado por tantos presentes de amor! Agora você estará comigo para sempre.”

Termina hoje o tempo litúrgico do Natal. Na procura de Jesus pelos caminhos da nossa vida, saibamos reconhecê-Lo em todos aqueles que precisam da nossa ajuda.

Esta entrada foi publicada em Alqueidão. ligação permanente.

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s