Árvores Históricas

Existem árvores muito antigas ao redor da aldeia, por exemplo no Vale das Matas, no Vale das Guianas, e em outros lugares, mas existem algumas mesmo no centro do Alqueidão que fazem parte das memórias das gentes desta terra, mas que passam completamente despercebidas, ou, melhor dizendo, nós é que passamos por elas sem reparar.

O Freixo do Adro

Foi plantado em 24 de Junho de 1861. Sabemos isto porque foi o Padre Afonso quem o plantou para assinalar o dia da sua chegada ao Alqueidão da Serra. Entretanto passaram 160 anos. O Freixo testemunhou tantas coisas!…Muitas alegrias e muita tristeza passaram por ele no Adro da igreja. Ninguém se lembra do Adro sem Freixo. Ele sempre esteve lá.

As Oliveiras do Adro

A referencia mais antiga dá-nos conta que em Março de 1919 Luís Gaspar da Silva Raposo era presidente da Comissão Admnistrativa que substituiu a Junta de Freguesia. Ele colocou à venda em hasta publica todos os bens que pertenciam à igreja… e  à Junta. Salvou-se o Olival do “Senhor”, graças à intervenção do Padre Júlio Pereira Roque.

Pelo menos o olival do «Senhor» não se foi na enxurrada de roubos, que tantas coisas levou. Bem caro ficou ao padre Júlio ter-se metido em tal assunto…

Pouco tempo depois, por vingança, colocaram uma bomba no parapeito da janela do quarto onde o padre Júlio e o seu irmão Francisco dormiam. Disto resultaram alguns estragos, um grande susto, mas ninguém ficou ferido.

As oliveiras do Adro, formavam o Olival do “Senhor”, de onde era extraído o  azeite que alumiava o Santíssímo durante todo o ano. Ainda existem 4 destas oliveiras.

As Tílias do Adro

Existiam duas. Uma delas morreu e teve de ser retirada do local. A outra sobreviveu à poda radical que lhe fizeram em 2020, e na primavera de 2021 ela lá estava, linda e maravilhosa como sempre!.

Não sabendo exatamente o ano em que as Tílias foram plantadas, sabemos que foi o padre Manuel Ferreira quem as plantou, e assim sendo foi na década de 50, porque o Padre Manuel Ferreira foi pároco do Alqueidão da Serra nos anos de 1950 a 1958.

O Carvalho do Filipe

Está na Rua da ti Maria Amada desde sempre…

Pertencia ao Filipe, mas só com esta referencia não se consegue saber a idade do Carvalho.

O Filipe era filho de António Pedro Rato e Maria Correia (irmão da ti Júlia do Rato). Nasceu a 19 de Julho de 1872. Casou em 06-02-1907, quando tinha 35 anos. Apenas sabemos que o carvalho era dele.

A Nogueira do Rosinha

A árvore está na Travessa da Nogueira, no quintal do Inofre. Ninguém consegue saber a idade que ela tem. Quando o pai do Inofre comprou aquela casa, a nogueira já la estava, no quintal. Todas as gerações se lembram dela.

E certamente existem mais que também mereciam referencia, mas estas fazem parte do nosso dia-a-dia, e, na nossa correria desenfreada, dificilmente reparamos nelas.

Esta entrada foi publicada em Alqueidão. ligação permanente.

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s