A Patuscada de Tordos

Perto da estrada que liga o Alqueidão às Covas Altas, encontramos a Lagoa do Chão Nogueira.

Perto desta lagoa ficava um terreno onde antigamente a malta se juntava para jogar futebol. Os jogos realizavam-se entre a equipa do Alqueidão, e as equipas dos lugares vizinhos (Bouceiros, São Mamede, Demó, etc.).

Para ver o futebol as pessoas, que se deslocavam a pé, ou de burro, vinham dos diversos lugares da freguesia e faziam grandes piqueniques junto à lagoa. Assistiam aos jogos de futebol no terreno preparado para esse fim, a que chamavam “Estádio São Gabriel”, e por lá passavam as tardes de Domingo.

Mais tarde a malta juntou-se para fazer o Campo da Chã, e o terreno no Chão Nogueira não era mais preciso para a prática do desporto, por isso ele foi afundado e é actualmente um ponto de água para combate aos incêndios.

Fevereiro de 2020

Quando se fala na lagoa do Chão Nogueira sempre nos vem à lembrança  a patuscada de tordos.

Nas proximidades da lagoa existia um palheiro, que era do Correia da Marta. Os rapazes resolveram ir até lá fazer uma patuscada de tordos. Levaram um burro para transportar o tacho e tudo o que era necessário para fazer o guisado.

Chegando lá, foram para junto da lagoa apanhar tordos, depenaram-nos, arranjaram-os e fizeram o guisado. Na altura o Chico da Laura Sarrana namorava uma rapariga dos Bouceiros.

Depois da patuscada decidiram ir até aos Bouceiros.

Eram bonitas as raparigas da Serra, e os nossos rapazes ficaram lá à conversa com elas, e um deles ia tirando umas fotografias para memória futura.

E eis que chegaram uns homens dos Bouceiros, e um deles disse: tu vai mas é… tirar fotografias lá para a tua terra”E foi aqui que o caldo se entornou.

Aquilo foi muros e pontapés por todo o lado, já voavam garrafões e sapatos, e a coisa estava a ficar mesmo feia. Se não fossem dois rapazes das Covas Altas, que eram amigos dos do Alqueidão, lá salvá-los, aquilo ainda acabava mal. Voltaram para casa todos partidos, e no caminho o Almanaque cantava assim:

Fomos todos satisfeitos
os tordos apanhar
e depois da patuscada
foi porrada até fartar.

 

Publicado em Convivios | Publicar um comentário

O Adro

Para que o Adro se nos apresente com o aspecto que tem nos dias de hoje, foram demolidas quatro casas de habitação.

Quem vinha de Porto de Mós, logo juntinho à Igreja encontrava a casa da Bruxa. Ela não fazia bruxarias, chamavam-lhe assim porque ela já tinha muita idade e andava a pedir pelas ruas porque era muito pobre.

Logo a seguir à casa da Bruxa havia a taberna do Luís da Catrina, que tinha nas traseiras  um armazém onde ele guardava o sal.

O ti Luis ficou cego num acidente numa pedreira. Foi terrível o que aconteceu, mas como Fátima fica perto, decidiram ir pedir a Nossa Senhora que devolvesse a vista ao ti Luis. E lá foram. Rezaram, pediram, e…. não aconteceu nada. O ti Luis voltou cego na mesma.

“Isto é tudo uma grande aldrabice”, disseram eles. “E anda agente aqui a perder tempo”. E isto foi o suficiente para que algumas pessoas daquela família nunca mais quisessem saber de nada do que à religião dizia respeito.

A seguir à taberna do ti Luís, ficava uma pequena passagem e depois estava a casa da ti Brilhanta e do Farramenta que era sapateiro. A filha da Brilhanta, a São, atualmente com 96 anos, está no lar do Reguengo do Fetal.

São Brilhanta

Por detrás da casa da Brilhanta ficava a tia Bia, (mãe do Laura) cuja casa foi a ultima a ser demolida para dar lugar aos sanitários públicos.

Quem se lembra?

Publicado em Património Arquitectónico | 2 Comentários

A Antiga Capela dos Bouceiros

Para facilitar o cumprimento do preceito da missa dominical e de outros deveres religiosos, o padre Francisco Carreira Poças, juntou-se às pessoas residentes nos locais mais afastados da sede da Freguesia para estudarem a possibilidade de construção de uma capela.

O problema mais difícil de ultrapassar foi a sua localização, porque não se entendiam de forma nenhuma as populações dos lugares de Bouceiros, Casal do Duro, Covas Altas, Demó, Lagoa Ruiva e Valongo.

Foi em 1904, depois dos ânimos serenaram, que foi possível começar a obra, tendo sido escolhido um local que ficava próximo da povoação de Bouceiros.

São Bento foi o orago escolhido e, por isso mesmo, a sua imagem ficou no altar-mor; os dois altares laterais receberam as imagens de Santa Quitéria e Nossa Senhora da Saúde.

As cerimónias de inauguração da Capela começaram a 24 de Junho de 1905 e continuaram no dia seguinte. A narrativa vem publicada em ”O Portomozense”, de 14 de Julho de 1905, e reza assim:

“Realizou-se com toda a pompa e enorme concurso de povo, nos dias 24 e 25 do passado, a sagração da nova capela e festa a Santa Quitéria, no lugar dos Bouceiros, freguesia do Alqueidão.

Às oito horas da manhã foram conduzidas processionalmente as imagens de S. Bento e Sta Quitéria, da Igreja matriz até à nova capela, situada num lugar pitoresco e ameno.

Ali no meio de inumerável multidão, procedeu-se à cerimónia da sagração a que se seguiu missa cantada, orando o Revº. Pároco, nosso amigo Padre Poças, que cheio de justificado entusiasmo por ver coroados de êxito os seus esforços de dois anos, proferiu um discurso que arrebatou todo o auditório, superior a três mil pessoas.

Seguidamente, pôs-se em marcha uma bem dirigida procissão a que dava todo o realce uma enorme fila de mais de duzentas ofertas.

De tarde, arraial em que se deu um desagradável incidente, devido a rixas antigas entre os povos de lugares próximos.

Mais uma vez felicitamos os nossos amigos Padre Poças e todos os seus cooperadores.”

As desavenças a que se refere “o desagradável incidente”, deviam-se exactamente às diferenças de parecer quanto à localização da capela, embora ela tenha sido construída num local que ficava mais ou menos à mesma distancia para todos.

A Capela não tinha rendimentos fixos e certos, de qualquer natureza. Os povos dos lugares por ela servidos é que a mantinham por diferentes maneiras. Uma fonte de receita era a contribuição anual de uma quarta de milho, a que se comprometiam os habitantes daqueles lugares, e, com este pagamento, habilitavam-se à bênção de seus animais, quando raivosos.

Apesar de já existir capela, não havia missa nos Bouceiros com carácter de regularidade.

O padre Henrique, e mais tarde o padre Manuel Ferreira, deslocavam se a pé, ou de burro, para chegar até aos Bouceiros, subindo a serra por um caminho aberto entre mato e pedras.(1)

Algumas vezes ficavam hospedados na casa da Senhora Josevina, e celebravam a missa no dia seguinte. A Senhora Josevina era invisual, e tinha  na sua casa o chamado “quarto do Padre”.

O Sr. Padre Manuel Ferreira, que antecedeu o padre Américo, chegou a deslocar-se de moto. Chegava lá muito mais rápido na sua vespa.

O Cruzeiro de cantaria foi levantado no adro em 1912, e nele fizeram gravar a seguinte inscrição:

ADRO DE

SANTA QUITÉRIA

DESTINADO AS

BÊNÇÃOS

Em Julho de 1956, o primeiro número do boletim paroquial, que se publicou na Freguesia, com o nome de “Sol da Serra”, informava que tinha “sido entregue ao Senhor Bispo o novo projecto de ampliação da capela dos Bouceiros”.

O projecto embarrancou e assim ficaram as coisas por quase dez anos.

Estes anos incluem o tempo despendido pelos técnicos de arquitectura no estudo e elaboração do novo projecto, e também o tempo que a comissão eclesiástica demorou na apreciação que lhe competia, segundo as normas diocesanas para a arquitectura religiosa.

Foi em 19 de Julho de 1965 que se rezou a derradeira missa na capela primitiva. Depois deste acto religioso,  um grupo de cinquenta e seis homens deu inicio ao arrasamento e à transferência do entulho.

O projecto, da autoria do arquitecto Célio Lopes Cantante, nada tem a ver com o inicial onde se falava da simples alteração da estrutura antiga.

O novo templo, mede no comprimento de 26,100 m, na largura e na altura de 7,350 m. Tem acoplada uma torre de 15 m de alto com dois sinos.

Há que referir que a mão-de-obra, na quase maciça totalidade, foi oferta absolutamente gratuita. Dias houve em que se apresentaram a trabalhar gratuitamente nas obras de construção da capela, cinquenta e três homens.

Tudo o que se despendeu no arrasamento da capela velha e na construção da actual saiu da generosa algibeira dos habitantes de Bouceiros, Casal do Duro, Covas Altas, Demó e Valongo, ou seja dos 172 fogos que, naquela altura, povoavam os ditos lugares.

Para que mais facilmente se avalie o sacrifício deles, e se aprecie o volume das suas contribuições periódicas, declara-se que, segundo a estimativa da época, orçava tudo, muito por baixo, num pouco mais de mil contos! A maior glória daquela gente, é não ter recebido um chavo, a título de subsídio!

Da capela antiga não existe qualquer registo fotográfico, no entanto o Sr. António Vieira emigrante no Canadá lembra-se muito bem dela. Ele é que era o sacristão.

O Sr. António é filho da Maria dos Anjos, que vendia queijos. Quando ainda vivia nos Bouceiros foi sacristão na antiga Capela. Depois emigrou para o Canadá, onde permanece até aos dias de hoje.

A ele se deve a maquete, feita de memória, com todos os pormenores, para que as gerações futuras saibam como era a Capela dos Bouceiros que os nossos antepassados construíram naquele lugar,  onde iam à missa e onde recebiam os sacramentos.

Maquete da antiga Capela dos Bouceiros feita pelo Sr. António Vieira, emigrante no Canadá.

Seria deveras interessante trazer a maquete para os Bouceiros, se essa fosse também a vontade do Sr. António.

 

(1) A estrada que nos liga aos Bouceiros só começou a ser construída em 1966, quando o Povo do Alqueidão e Carreirancha se juntaram e iniciarem as terraplanagens. Ficou concluída em 1970.

 

 

 

 

Publicado em Património Arquitectónico | 2 Comentários

Os Sapateiros

De entre as profissões que desapareceram encontramos a profissão de Sapateiro. Quando não existiam à venda sapatos já feitos, as pessoas andavam descalças ou tinham que mandar fazer sapatos por medida aos sapateiros.

Em 1305, o Rei Eduardo I decretou que a medida de uma polegada deveria equivaler a três grãos secos de cevada, e estabeleceu assim medida padrão para o fabrico de calçado. Os sapateiros passaram a fabricar calçado seguindo esta medida, ou seja, um sapato de criança, que medisse treze grãos secos de cevada, recebia a medida padrão treze.

No Alqueidão quem se dedicava a esse trabalho de fazer sapatos era:

  • O Farramenta (pai da ti São Brilhanta) trabalhava na Rua de Cima numa casa perto do lugar onde hoje é a Farmácia.
  • O Rafael Gabriel trabalhava numa casa em frente da atual Casa do Povo. Foi quem fez os sapatos para o casamento da tia Adélia Locádia.
  • O Caturra (pai do Alfredo de Matos) trabalhava na sua casa em frente à Igreja
  • O Afonso Safrino trabalhava na sua casa onde hoje é a clinica Saude e Sorrisos
  • O José de Matos Galo (marido da tia Amélia) trabalhava na sua casa no atual Largo do Fiscal Costa na estrada para Porto de Mós.

José de Matos Galo, perto da sua sapataria

O Zé de Matos Galo era filho do Adriano Galo e da ti Doroteia que viviam numa casa onde hoje é o parque de estacionamento do Centro de Dia.

O Zé de Matos Caturra era o pai do Alfredo de Matos e vivia com a família numa casa em frente à Igreja.

Porque muitos nomes eram iguais eles eram mais conhecidos pelas alcunhas. Para evitar alcunhas, e para não haver enganos, nos Casais dos Vales usavam colocar o apelido Desenganar, quando já havia outra pessoa com o mesmo nome.

As casas do Alqueidão eram todas construídas ao longo dos caminhos principais. As únicas casas que existiam para além do Cruzeiro, eram o ti Marinha e o Carenco. A Carreirancha ficava muito longe mas também lá existiam sapateiros.

Por vezes os sapateiros eram contratados para ir arranjar calçado a casa das pessoas, ou fazer sapatos novos caso fosse necessário, ou seja, trabalhavam ao domicilio e ganhavam entre 200 e 240 reis.

O calçado de trabalho era untado com sebo, para ficar mais maleável e impermeável e para durar mais tempo. As botas de trabalho dos homens eram cardadas e com protectores na sola.

O sapato por medida é coisa do passado, nos tempos que correm os sapateiros apenas consertam o calçado.

25 de Outubro dia do Sapateiro

Por volta do ano 280, os irmãos Crispim e Crispiniano, que pertenciam à classe rica daquela época, converteram-se ao Cristianismo. Foram perseguidos pelos governantes e tiveram que sair de Roma. Foram para Gália e passaram a trabalhar como sapateiros.

Diz-se que certo dia, fugindo do imperador, passaram a noite na casa de uma senhora e no dia seguinte, depois de eles terem ido embora, ela percebeu que tinham deixado um sapato cheio de moedas de ouro.

Dizem que foram capturados e amarrados numa pedra e atirados no rio, mas que conseguiram sobreviver. Quando os encontraram prenderam-nos e em seguida foram decapitados.

Passaram mil anos e,  por volta de 1.300, o Cristianismo tomou conta de Roma. Nessa altura  um bispo recuperou as vestes dos irmãos e criou uma Igreja em sua homenagem.

Foi então convencionado o Dia 25 de outubro como o Dia do Sapateiro, em homenagem aos irmão Crispim e Crispiano.

Publicado em Profissões Antigas | 1 Comentário

O Ano de 2019

Recordamos aqui os principais acontecimentos que marcaram a vida da nossa comunidade em 2019.

Janeiro

01-01-2019

Tradicionalmente começamos o ano na Capela de Nossa Senhora da Tojeirinha, para onde vamos em procissão depois da missa das 11h30, levando as imagens de Santo António, São Silvestre e o menino Jesus. Celebramos Nossa Senhora Rainha da Paz, e com toda a gente reunida em volta da Capela, o senhor prior abençoa a natureza, as terras de cultivo, os animais e as pessoas presentes, e implora a paz para toda a humanidade.

É dia de comprar pinhões às pinhoeiras da Maceira, que seguindo o exemplo das suas bisavós, sempre vêm cá neste dia.

06-01-2019

A Festa da Catequese com a missa celebrada pelo padre Vitor Mira no salão da Casa do Povo, onde as crianças fizeram a representação do nascimento de Cristo, foi no dia seis.

Fevereiro

02-02-2019

Neste dia celebramos Nossa Senhora das Candeias, com a presença das mães e crianças na missa. Toda a gente leva uma vela. O sacerdote invoca a  Benção do Senhor para as mães, futuras mães e crianças. Estão presentes nesta ocasião os nascidos entre 2 de Fevereiro de 2018 e 2 de Fevereiro de 2019.

03-02-2019

O Almoço Solidario este ano é para ajudar no restauro do Cruzeiro da Capela de Nossa Senhora da Tojeirinha que foi vandalizado em Dezembro de 2018.

23-02-2019

O Festival das Sopas no CCR, organizado pelos Veteranos, reverte a favor do António Gabriel.

Março

04-03-2019

O Baile de Carnaval no CCR, organizado pelos nascidos em 1979, reverte a favor das Festas de Nossa Senhora que se vão realizar em Agosto.

19-03-2019

Dia do Pai.

Celebramos São José, o padroeiro da freguesia de Alqueidão da Serra.

20-03-2019

A Super Lua de Março. Na noite de 20 para 21 de março, a Lua foi maior e mais brilhante que o habitual. Observámos uma linda e brilhante  super lua cheia.

Abril

Nasceu em Abril, a  associação ALECRIM E SALVA – ASSOCIAÇÃO CÍVICA, CULTURAL E AMBIENTAL.

Esta  associação pretende envolver a comunidade e as restantes instituições, criando grupos de trabalho para tratar temas como tradições, Cultura, Histórias Tradicionais, Gastronomia, ervas Aromáticas, Percursos de Natureza e Património.

O grupo de Cultura, propõe realizar sessões de cinema como forma de levar as pessoas a sair de casa e terem acesso a filmes de qualidade.

O projecto “dar luz ao Alqueidão” leva os voluntários a caiar as casas desabitadas à beira da estrada, deixando tudo mais bonito.

14-04-2019

Fundação da Ur’Gente, Associação de Utentes de Saúde, com vista a resolver os problemas que existiam na freguesia devido à ausência do médico de família, à falta de transporte para Porto de Mós, e outras problemas ao nível dos cuidados de saúde.

14-04-2019

Já em tempo de quaresma a Via Sacra percorreu as ruas da aldeia. Teve a participação das crianças da catequese, catequistas e toda a comunidade.

28-04-2019

Inauguração da Exposição José Afonso.

Da iniciativa do Coral Calçada Romana, inserida nas comemorações do 25 de Abril, esta exposição esteve patente ao publico de 28 de Abril a 12 de Maio, na sede da Junta de Freguesia.

Maio

19-05-2019

Profissão de Fé

Uma marco importante na vida das crianças da catequese. Agora já são crescidos,  já podem afirmar por eles próprios que acreditam em Deus, e renovam as promessas que seus pais fizeram por eles no Batismo. 

24-05-2019

Manifestação por melhores cuidados de saúde.

Estamos sem médico de família à vários meses, e juntámos-nos junto ao Centro de Saúde de Porto de Mós para pressionar as entidades responsáveis, a tomar as decisões necessárias para resolver este problema que afeta não só a população do Alqueidão, mas também algumas outras freguesias do Concelho.

26-05-2019

A festa de encerramento da Época Desportiva no CCR,  estabelece o convívio com atletas, técnicos, colaboradores, dirigentes e famílias.

 

26-05-2019

Primeira Comunhão

As crianças  vão receber pela primeira vez o “Corpo e Sangue de Cristo sob a forma de pão e vinho”.

Preparar as crianças para receber o Corpo de Cristo é o trabalho voluntário dos catequistas que se dispõem, em conjunto com os pais,  a ensinar e fazer compreender às crianças alguns princípios fundamentais da Igreja, tais como os 10 Mandamentos, as principais orações e os 7 sacramentos.

Junho

02-06-2019

Comemoração do Dia da Criança no Campo da Manga Branca.

Tarde de convívio, onde são vendidos bolos caseiros e coscurões, que reverte a favor do António Gabriel, para que este possa continuar a fazer os seus tratamentos altamente dispendiosos.

04, 05 e 06 de Junho de 2019

Semana da Educação

Durante os dias 4, 5 e 6 de junho, a freguesia do Alqueidão da Serra acolheu a Semana da Educação de Porto de Mós 2019. Cerca de 2000 crianças vieram visitar o Alqueidão da Serra e participar em dezenas de atividades lúdicas e didáticas. Foi dado a conhecer aos alunos do jardim-de-infância, 1º e 2º ciclos, a freguesia de Alqueidão da Serra com as suas tradições, costumes e histórias.

Nesta ocasião foi-nos apresentado o Borraponto.

A Junta de Freguesia de Alqueidão da Serra desenvolveu um projecto que permite reciclar as cápsulas do café.

Uma ideia de Silvia Carvalho que também tratou de toda a parte burocrática juntamente com Filipe Batista. O Luis tratou da parte do estudo e desenvolvimento do “bidon”, e a ideia foi posta em prática na oficina do Domingos “Sanfona”.

Os utentes do Centro de Dia fazem a separação dos materiais, e a verba da venda das borras, plástico e alumínio das cápsulas, reverte a favor da instituição.

No final de tudo, o alumínio e o plástico são transformados, e a borra do café vai servir de fertilizante para os terrenos e para fazer pellets para recuperadores de calor.

14-06-2019

Restauro da Cruz da Tojeirinha, depois da campanha de angariação de fundos “Operação de Restauro” que permitiu juntar o dinheiro necessário para restaurar a cruz e para reparar o chão da Capela de Nossa Senhora da Tojeirinha.

15-06-2019

Festa em honra de Nossa Senhora da Tojeirinha

Sábado da Festa – Procissão das velas

Depois da missa na Igreja Paroquial o andor com a imagem de Nossa Senhora da Tojeirinha vai em procissão até à Capela, passando pelas ruas iluminadas com velas.

16-06-2019

Domingo da Festa – Inauguração do Cruzeiro reconstruido

No domingo da Festa a missa é no adro da Capela e depois a tarde é de convívio. Este ano foi inaugurado nesta ocasião, o cruzeiro restaurado.

23-06-2019

Dia do Idoso e do Doente

Depois da missa os idosos e doentes juntam-se para um lanche convívio da Casa de São José.

29-06-2019

Festas de São Pedro em Porto de Mós

O tema da decoração da tasquinha do CCR foi “o mar”.

Julho

07-07-2019

Crisma

Neste dia recebemos a visita do Sr. Bispo, e a missa teve a participação do Coral Calçada Romana.

14-07-2019

Concerto de Encerramento do ciclo de Musica Coral  “Via de Cultura – Coros XXII” que contou com a presença do  Coral Calçada Romana (Alqueidão da Serra),  Coro Carlota Taylor ( Espinhal -Penela) e do Orfeão do Centro Cultural da Guarda (Guarda).

19-07-2019

Eleição dos Orgãos Sociais da Associação de Utentes “Ur´Gente”. 

A Associação tem como finalidade resolver problemas que as pessoas têm no acesso aos Serviços de Saúde e zelar pelo bom funcionamento destes serviços.

Agosto

16, 17 e 18 de Agosto 

Festas de Nossa Senhora do Rosário

Sábado

No sábado a missa vespertina é pelas intenções dos Festeiros, que são os que fazem 40 anos este ano de 2019. Depois o arraial vai até altas horas da noite.

Domingo

No domingo de manhã os festeiros recebem a Banda Filarmónica que começa com a saudação a Nossa Senhora junto à porta da igreja e depois segue para a sede da Junta de Freguesia para saudar o presidente, e vão logo a seguir a cada uma das zonas da freguesia buscar os andores.

Chegam ao adro quase em cima da hora da missa, depois da qual decorre a procissão com os andores de Nossa Senhora e São José (porque ele é que é o padroeiro), os andores de bolos e cavacas, a banda e muito povo.

Segunda-Feira da Festa 

Este dia é tradicionalmente dedicado ao emigrante, muitos deles estão cá de férias e a missa é pelas suas intenções. Segue-se a procissão com o Santíssimo Sacramento.

25-08-2019

Festa em honra de São Bento e Santa Quitéria 

No fim de semana seguinte ao da Festa de Nossa Senhora no Alqueidão, é a Festa dos Bouceiros em honra de São Bento e Santa Quitéria.

Setembro

08-09-2019

Festa em honra de Nossa Senhora da Saúde

Sempre no dia 8 de Setembro, quer seja domingo ou um dia normal de semana, as gentes dos Bouceiros fazem a Festa em honra de Nossa Senhora da Saúde.

Outubro

03-10-2019

Os caçadores que fazem parte do  Clube de caça, Pesca e Tiro do Alqueidão da Serra e Reguengo do Fetal, semeiam os campos abandonados, com ordem dos respectivos proprietários, de forma a que exista sempre comida para os animais selvagens.  Deste modo, havendo comida na serra, javalis e raposas não vem para a aldeia à procura de comida.

Milho dos caçadores, colocado para secar ao sol

31-10-2019

Inauguração da Pista de Pumptruck

Projeto vencedor do orçamento participativo de 2018, a pista, que foi uma proposta de Luis Boal, foi inaugurada neste dia, mas não está ainda concluída.  

31-10-2019

No final do ano a pumptrack ainda não tinha sido concluída mas mesmo assim tem atraído pessoas de diferentes partes do país tendo já recebido malta do Porto, Rio Maior, Caldas da Rainha etc

Novembro

01-11-2019

Dia de Pão por Deus

Para cumprir a tradição as crianças vão em grupos pedir o pão por deus, e nas portas das casas algumas pessoas esperam para dar pão por deus. E há para todos, para miúdos e para graúdos.

03-11-2019

Dia de Fieis Defuntos

Neste dia lembramos todos aqueles que já saíram do nosso convívio. Os cemitérios ficam cheios de flores e de gente que vai visitar as campas dos seus familiares falecidos.

03-11-2019

De regresso do cemitério o pessoal passa pela sede da junta de freguesia porque neste dia a Junta também dá pão por Deus.

Convívio na sede da Junta de Freguesia

Também é dia de entregar os certificados aos jovens que participaram nos Estágios de Verão de 2019. Nas férias de verão estes jovens trabalharam em áreas tão diversas como ambiente, património, cultura, cidadania, etc.

03-11-2019

Caminhada de Outono

A partida é junto à igreja dos Bouceiros, é para caminhar 10km pelo meio da natureza. A participação é gratuita e a Junta de Freguesia ainda oferece um lanchinho.

09-11-2019

Magusto no CCR

10-11-2019

O Magusto organizado pela Acção Católica Rural este ano foi no Casal Duro. A Junta de Freguesia ofereceu as castanhas, como habitualmente.

Dezembro

A Revista do Município de Porto de Mós referente a Dezembro, que todos recebemos na caixa do correio, tem na capa o Manuel, neto do professor Carlos, fotografado pela nossa conterrânea Ilda Silva.

Também nos dá conta da homenagem ao ti Daniel Correia por ocasião dos 50 anos do Fundo Social dos Funcionários da Câmara Municipal de Porto de Mós.

E também ficamos a saber que existe o Vamós, o transporte urbano que liga as freguesias à sede do Concelho, mas não passa no Alqueidão da Serra. Sabe-se lá porquê!…

06-12-2019

Mercado de Natal

Uma oportunidade para promover o artesanato e os produtos regionais. Podemos comprar aqui presentes originais feitos por artesãos da nossa terra, e ainda provar as especialidade típicas do Alqueidão como morcelas, coscurões, bolos caseiros e chocolates. Há musica, convívio e muitas atividades para as crianças.

07-12-2019

Corrida São Silvestre

Integrada no mercado de Natal a inscrição é de um bem alimentar que reverte a favor do Centro de Dia. 

O Pódio da Corrida São Silvestre é no mercado de natal.

08-12-2018

Mercado de Natal

O CCR serve refeições para quem quiser lá almoçar ou jantar, e para sobremesa ou lanche há sempre muito por onde escolher.

12-12-2019

Super Lua Cheia de Dezembro. A última do ano.

18-12-2019

Campanha para encontrar um dador de medula óssea para a nossa conterrânea Carla Vitorino, que tem um cancro e a única solução para ela é um transplante de medula.

De louvar a dedicação e o empenho das analistas do laboratório Beatriz Godinho, que se disponibilizaram, num sábado de tarde, para tirar sangue para os testes, aos voluntários que lá chegaram. Também a Câmara de Porto de Mós disponibilizou um autocarro para este fim.

21-12-2019

Concerto de Natal – Coral Calçada Romana 

Para terminar as suas actividades em 2019, o Coral Calçada Romana realizou o seu Concerto de Natal na Igreja Paroquial.

Natal de Alqueidão da Serra

23-12-2019

Iluminações de Natal

A novidade deste ano foi o presépio e a árvore de natal no largo da padaria.

O presépio do adro foi feito pelo Hugo Ferraz e pelo Hugo Santos.

25-12-2019

Missa do Galo

A tradicional missa da meia-noite teve a participação dos jovens.

29-12-2019

Festa das Famílias

No ultimo domingo do ano, 29 de Dezembro, dia da Sagrada Familia de Nazaré, estiveram presentes na missa os casais que neste ano de 2019 completaram 25, 50 e 60 anos de matrimónio cristão. 

O Padre  Vitor invocou a Benção do Senhor para as imagens da Sagrada Familia que ofereceu aos casais presentes.

O Padre, o Médico e o Presidente da Junta

As três pessoas mais importantes

O padre Vitor é missionário, e está numa verdadeira terra de missão. Os jovens muito afastados da igreja, só aparecem até fazerem o Crisma, depois disso não há mais quem lhes ponha a vista em cima. O trabalho incansável do padre Vitor tem sido levar Cristo ao coração das pessoas, mostrando-se disponível e atencioso, e propondo diversas atividades, encontros e formação cristã.

O médico chegou cá a meio do ano de 2019 e ainda está a “arrumar a casa”. Tem que conhecer as pessoas, atualizar os registos, ver se a medicação crónica que cada um está a tomar continua a ser a medicação adequada, e isto não se faz de repente, leva tempo.

O Presidente da Junta, Filipe Batista, apoia todas as associações e todos os projetos que contribuam para o desenvolvimento da freguesia. Está lá para ajudar, em todo o lado que for preciso.

A sua acção este ano tem sido voltada para as estradas que passam por dentro da aldeia, construindo muros e passeios, falando com os herdeiros das casas desabitadas que se encontram à beira da estrada, de forma a fazer acordos que permitam alargar a estrada nos pontos onde ela é mais apertada.

Na Rua da Carreirinha

Também as placas com os nomes das ruas foram removidos das paredes onde estavam e colocadas num suporte mais visível, no inicio e no fim da rua.

Quando as alcunhas dão o nome à Rua, já ninguém sabe como se chama o Tuta

Estatísticas

Neste ano de 2019, em toda a freguesia do Alqueidão da Serra, houve 3 casamentos, 13 batismos e 27 funerais.

31-12-2019

O ano termina no Moínho, porque aí há fogo de artificio por todos os lados. 

Não foi bom?… Chegaram agora 366 novas oportunidades para fazer melhor.

És tu que tens que mudar, não é o ano!… Vamos começar tudo de novo. 

01-01-2020

Janeiro

Tradicionalmente começamos o ano na Capela de Nossa Senhora da Tojeirinha, para onde vamos em procissão depois da missa das 11h30, levando as imagens de Santo António, São Silvestre e o menino Jesus. Celebramos Nossa Senhora Rainha da Paz, e com toda a gente reunida em volta da Capela, o  senhor prior abençoa a natureza, as terras de cultivo, os animais e as pessoas presentes, e implora a paz para toda a humanidade.

Que 2020 seja um ano especial, para cada um de nós.

Publicado em Alqueidão | 2 Comentários