A História Atribulada do Clube

Este mês de Julho de 2015 o CCR comemora 40 anos. Nasceu com a revolução do 25 de Abril. A ideia começou a surgir numa conversa no Farinhas entre o Vitor, o António Henriques e o Manuel Pipa.

Era preciso fazer alguma coisa pelo Alqueidão, não existia aqui nada, disseram eles na altura. Marcaram então uma reunião na qual compareceram muitas pessoas das mais diversas idades.

Vivia-se ainda a euforia do 25 de Abril, e logo nessa reunião começaram a esboçar-se rivalidades entre os mais novos, mais rebeldes e ansiosos de mudança, e os mais velhos mais conservadores e mais ligados ao passado.

Esta divergência materializou-se depois politicamente, com os mais novos a ingressarem nas correntes politicas de esquerda e os mais velhos nas forças mais conservadoras.

O primeiro local de encontro destes jovens foi no dispensário, edifício ligado à escola velha, onde hoje se encontra o Posto Médico.

Rua da escola velha

Depois surgiu a ideia de alargar o espaço disponível até ao edifício da escola velha que tinha um recreio que podia ser aproveitado para a construção de um ring (local onde atualmente está a Casa do Povo).

Para este efeito foi então consultada a comissão administrativa que representava na freguesia o poder central, uma vez que ainda não tinham sido eleitos os órgãos do poder local. Estávamos em Julho de 1975.

Depois de conseguida a autorização necessária começaram as obras no pátio e no interior do edifício: acimentou-se o chão, rebocaram-se as paredes, e arranjou-se o ring para a prática de futebol de salão, basquetebol e voleibol.

No interior do edifício instalou-se uma biblioteca, representaram-se peças de teatro e organizaram-se espetáculos, nomeadamente com a presença de Adriano Correia de Oliveira.

Foi entretanto criado o emblema do CCR. O Cruzeiro, que foi uma ideia do António Alberto, foi desenhado pelo José Tavares.

CCR

A eleição para os cargos administrativos da freguesia de pessoas mais conservadoras, não era compatível com as posições do CCR, mais ligados aos ideais propostos pelo 25 de Abril.

Numa Assembleia de Freguesia extraordinária, realizada em 15-11-1980 pedida pelo então presidente da Junta de Freguesia, foi decidido que as instalações onde o CCR estava tinham que ser abandonadas impreterivelmente até 30-11-1980, para que aí fosse construída uma Casa do Povo e Sede da Junta de Freguesia.

Para os sócios do CCR esta foi uma tentativa para acabar com a atividade da coletividade, mas tal não aconteceu. Logo foi oferecido por gente amiga do Clube um terreno para o qual foi criado um projeto de construção de um pavilhão.

As obras de construção da nova sede iniciaram em 31-01-1981. Chegaram a juntar-se lá para trabalhar cerca de 140 pessoas, na sua maioria jovens.

Feita a inauguração do edifício lá passaram a realizar-se algumas festas, convívios que se prolongavam pela noite dentro e que normalmente terminavam depois da intervenção da polícia, que tinha sido chamada pela vizinha sempre muito incomodada com o barulho.

Mas enfim, do que a malta gosta mesmo, é de estar junta!..

Havia ainda os intermináveis processos em tribunal por causa do direito à serventia. Isto porque a vizinha tinha conseguido que o Presidente da Junta lhe passasse um atestado de pobreza que a isentava de pagar as custas dos processos.

Coube ao CCR a organização dos jogos de futebol e fê-lo com muito brilho e até com bastantes dificuldades nomeadamente quando já não era possível realizar os jogos no velho Campo da Chã, por causa das novas diretrizes relacionadas com a prática de futebol federado.

Foi nesta altura a Casa do Povo reativou o Alqueidão Futebol Club (anterior ao 25 de Abril) e iniciou a construção de um campo de futebol, na Manga Branca.

Chegámos aqui a uma situação muito interessante: quem tinha a equipa não tinha campo, e quem tinha campo não tinha a equipa.

futebol

Felizmente hoje os tempos são outros e todas estas divergências foram ultrapassadas. O CCR comprou o campo da Manga Branca à Casa do Povo, e fez todos os melhoramentos necessários, como por exemplo a colocação do relvado sintético,  balneários e bancadas. O clube tornou-se reconhecido por toda a gente pelo extraordinário trabalho que tem realizado em prol da cultura e do desporto.

 Atividade Desportiva

  • Nas épocas desportivas 1976/1977 e 1977/1978 participou no Campeonato de Futebol do Oeste.
  • Nas épocas de 1978/1979 a 1986/1987 participou no Campeonato Distrital da 2ª Divisão da Associação de Futebol de Leiria, vencendo o troféu disciplina nas três primeiras épocas.
  • Na época 1984/1985 participou no campeonato de Futebol Sénior Feminino da Associação de Futebol de Leiria, obtendo um honroso 3º Lugar.
  • De 1987/1988 a 1992/1993 participou no Campeonato Distrital da 1ª Divisão da Associação de Futebol de Leiria , tendo sido Campeão da 1º Divisão Distrital na Época de 1992/1993,  e subiu à Divisão de Honra em 1993/1994.
  • Na época de 1995/1996 conquistou a Taça Distrial de Leiria, com uma finalíssima disputada no campo da União Recreativa Mirense.
  • De 1993/1994 até 2000/2001 participou no Campeonato da Divisão de Honra tendo subido à 3ª divisão Nacional no ano de 2001.
  • Pela primeira vez na sua história disputou na época de 2001/2002 o Campeonato da 3ª Divisão Nacional Série-D.
  • Na época 2002/2003 sagrou-se Campeão distrital da Divisão de Honra, título que ainda não possuía, vindo a integrar o Campeonato da 3ª Divisão Nacional na época seguinte.
  • Na época 2003/2004, mais concretamente em 28 de Dezembro de 2003, disputou e ganhou a Super Taça da Associação de Futebol de Leiria no estádio Municipal da Mata nas Caldas da Raínha, com a equipa do Bombarral, com o resultado de 1-0.
  • Na época 2003/2004 disputou o campeonato da 3ª Nacional na Série D, registando o facto de ser o único clube com um campo de terra batida, voltando a descer ao campeonato distrital.
  • Nas épocas seguintes, até à época de 2011/2012 disputou o campeonato Distrital da Divisão de Honra, voltando a ser campeão distrital na época 2010/2011.
  • O CCR abdicou da subida, pelo que na época seguinte 2012/2013 disputou o campeonato distrital da 1ª Divisão, subindo na época 2013/2014 de novo à Divisão de Honra da Associação de Futebol de Leiria.
  • Durante várias épocas o clube teve equipas de Futebol Juvenil, concretamente Escolinhas, Escolas Sub-12, Sub-13, Jevenis e Juniores.
campo Manga Branca CCR

Campo do CCR, na Manga Branca

 A festa de aniversário, neste ano de 2015 em que se comemoram os 400 anos da criação da freguesia, realizou-se no domingo dia 12 de Julho, com a missa das 11,30 oferecida pelas almas dos sócios falecidos. Depois o almoço de aniversário foi na sede do CCR.

Esta entrada foi publicada em Vida Social. ligação permanente.

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s