O Adro

Para que o Adro se nos apresente com o aspecto que tem nos dias de hoje, foram demolidas quatro casas de habitação.

Quem vinha de Porto de Mós, logo juntinho à Igreja encontrava a casa da Bruxa. Ela não fazia bruxarias, chamavam-lhe assim porque ela já tinha muita idade e andava a pedir pelas ruas porque era muito pobre.

Logo a seguir à casa da Bruxa havia a taberna do Luís da Catrina, que tinha nas traseiras  um armazém onde ele guardava o sal.

O ti Luis ficou cego num acidente numa pedreira. Foi terrível o que aconteceu, mas como Fátima fica perto, decidiram ir pedir a Nossa Senhora que devolvesse a vista ao ti Luis. E lá foram. Rezaram, pediram, e…. não aconteceu nada. O ti Luis voltou cego na mesma.

“Isto é tudo uma grande aldrabice”, disseram eles. “E anda agente aqui a perder tempo”. E isto foi o suficiente para que algumas pessoas daquela família nunca mais quisessem saber de nada do que à religião dizia respeito.

A seguir à taberna do ti Luís, ficava uma pequena passagem e depois estava a casa da ti Brilhanta e do Farramenta que era sapateiro. A filha da Brilhanta, a São, atualmente com 96 anos, está no lar do Reguengo do Fetal.

São Brilhanta

Por detrás da casa da Brilhanta ficava a tia Bia, (mãe do Laura) cuja casa foi a ultima a ser demolida para dar lugar aos sanitários públicos.

Quem se lembra?

Esta entrada foi publicada em Património Arquitectónico. ligação permanente.

2 respostas a O Adro

  1. Rogerio Pedro diz:

    Eu lembro-me de tudo isso e ainda da vinha aonde ixestia uma capoeira e aonde ía-mos fumar cigarros uns atraz dos outros.

    Gostar

  2. Jorge dos Reis Amado diz:

    Alguns pormenores de que eu me lembro: 1 – O depósito do sal dentro do armazém do meu tio Luís ficava junto à estrada, e fazia ângulo com a tal passagem ao lado da casa da tia Brilhanta. 2 – Também me lembro de o padre Manuel Ferreira mandar construir uns urinóis e retrete encostados à cada do tio Luís, sem qualquer proteção de azulejo ou outra. O quarto dele ficava do outro lado da parede, que o salitre atravessava sem pedir licença. Deixo os comentários à consciência de cada um. Obrigado pelo trabalho.

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s