Primeira Guerra Mundial

Em Portugal as Evocações do Centenário da I Grande Guerra vão decorrer entre 2014 e 2018. Entre muitas outras iniciativas, estão previstos  seminários, congressos e colóquios, exposições, publicações etc. O programa será essencialmente cultural, envolvendo as escolas militares e as universidades, com forte intenção de divulgação junto dos jovens. 

Cerca de 30 países preparam eventos para marcar este centenário e homenagear as famílias afetadas pela guerra.

O Século XX foi assolado por duas guerras mundiais: 1914-18 e 1939-45, tendo Portugal participado apenas na primeira. Calcula-se que terão perdido a vida cerca de 9.000 portugueses. A tragédia atingiu tamanhas proporções que fez com que, em quase todos os concelhos do País se erguesse um monumento aos que tombaram neste conflito.

Há cem anos, a população de Portugal Continental vivia quase toda no campo, apenas 20% vivia em cidades. Mesmo assim 50% da população habitava em Lisboa e Porto. As restantes cidades não eram mais do que centros rurais.

Na aldeia de Alqueidão da Serra habitavam cerca de 1400 pessoas (segundo o INE), eram na sua grande maioria analfabetos, e dedicavam-se à agricultura e à criação de gado. O presidente da Junta de Freguesia Ezequiel Vieira da Rosa tinha iniciado o seu mandato em 2 de Janeiro de 1914.

Foi a 28 de julho de 1914 que começou a Primeira Guerra Mundial. Portugal entrou quatro meses depois.

O Alqueidão (tal como se verificou também nas outras freguesias de Portugal), viu os seus filhos partir para os campos de batalha. Portugal teve de se bater em duas frentes, a europeia e a africana, e nas duas frentes houve combatentes do Alqueidão.

Faz parte da história da Marinha Mercante Portuguesa o nome do alqueidanense Afonso Vieira Dionísio, comandante do navio “Machico” que efectuou o transporte de reforços de tropas, material de guerra e mantimentos durante a guerra.

Recorte de Ilustração Portugueza, No. 563, December 4 1916 - 20- Via T of Dias que Voam blog. Ilustração Portuguesa

Recorte de Ilustração Portugueza, No. 563, December 4 1916 – 20- Via T of Dias que Voam blog. Ilustração Portuguesa

Para que não ficassem esquecidos os seus feitos heróicos, o povo do Alqueidão deu o nome de Afonso Vieira Dionísio à Rua onde se encontra a casa aonde o comandante nasceu.

Rua Comandante Afonso Vieira Dionisio

Combatentes em França

ADRIANO DE MATOS

  • Localidade: Alqueidão da Serra
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 10 de Janeiro de 1918
  • Regresso: 25 de Agosto de 1918

Mais conhecido por Adrianico, devido ao facto de ter um irmão mais velho com o mesmo nome, nasceu no Alqueidão e faleceu em Casais da Arroteia (S. João da Ribeira – Rio Maior), onde residia, desde cerca de 1926.

ALBINO VIEIRA DIONÍSIO

  • Localidade: Alqueidão da Serra
  • Patente: 2º Sargento
  • Embarque: 26 de Abril de 1918
  • Regresso: 06 de Julho de 1919

Nasceu no Alqueidão em 1890. Por volta do ano de 1893, com seus pais e irmãos, fixou-se em Famalicão da Nazaré. Daqui saiu para Lisboa. Entre outras ocupações, teve a de empregado de farmácia, trabalho que abandonou quando o chamaram para a tropa. Candidatou-se aos exames do primeiro ano da Escola Náutica, mas não consta do resultado que obteve neles, se é que algum fez. Alistando-se na Guarda Nacional Republicana, chegou a 2º Sargento, posto que abandonou para novamente, se dedicar à vida farmacêutica. Em consequência desta decisão, mais tarde, fundou a Farmácia Central de Campolide, de que foi director e proprietário, até ao fim da vida, e que ficou depois a pertencer a um dos seus filhos. Faleceu em Lisboa e jaz no cemitério do Alto de S. João, desta cidade.

ANTÓNIO CARREIRA CEGO

  • Localidade: Casais dos Vales
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 20 de Janeiro de 1917
  • Regresso: 19 de Julho de 1918

Nascido e criado nos Casais dos Vales, ali terminou seus dias.

ANTÓNIO FRANCISCO

  • Localidade: Bouceiros
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 20 de Janeiro de 1917
  • Regresso: 05 de Fevereiro de 1919

Também conhecido por António Francisco Pastilha era natural dos Bouceiros. Casou nas Covas Altas.

CUSTÓDIO VIEIRA

  • Localidade: Valongo
  • Patente: Soldado
  • Embarque:
  • Regresso:

Era do Valongo e casou nos Bouceiros. Era também conhecido por Custódio Marcelino.

FRANCISCO DOS SANTOS

  • Localidade: Alqueidão da Serra
  • Patente: Soldado
  • Embarque:
  • Regresso:

Embora nascido em Alcaria, figura nesta lista porque, desde os sete anos, viveu no Alqueidão, onde constituiu família e de onde se considerava natural. Por muitos anos exerceu o ofício de ferreiro, aprendido com Beltrão dos Santos, que o criou.

JOÃO PEDRO DE CARVALHO

  • Localidade: Casal Duro
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 20 de Janeiro de 1917
  • Regresso: 09 de Março de 1919

Era natural do Casal Duro. Em 1981 contava 86 anos e ainda se lembrava de que permaneceu em França durante vinte e seis meses (de 1917-1919), na região de Lille.

JOAQUIM PEDRO RIBEIRO JÚNIOR

  • Localidade: Casal Duro
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 19 de Janeiro de 1917
  • Regresso: 28 de Maio de 1919

Também era natural do Casal Duro e faleceu em 1976.

FRANCISCO VIEIRA DA ROSA

  • Localidade: Alqueidão da Serra
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 19 de Janeiro de 1917
  • Regresso: 01 de Outubro de 1918

Era natural do Alqueidão, onde casou e viveu. De acordo com “O Mensageiro”, de 25 de Outubro de 1918, sabe-se que regressou de França no inicio de Outubro de 1918, e que “a mocidade festejou com muita alegria o regresso do valente militar, lançando foguetes e saudando-o com entusiasmo”.

JOSÉ CARREIRA

  • Localidade: Covão de Oles
  • Patente: 1º Cabo
  • Embarque: 20 de Janeiro de 1917
  • Regresso: 25 de Setembro de 1918

Nasceu no Covão de Oles e também foi conhecido por José Casqueta.

JOSÉ DA COSTA

Nasceu na Carreirancha e foi conhecido por José Golveias. Não chegou a embarcar para França por ter desertado.

MANUEL CORREIA

  • Localidade: Covão de Oles
  • Patente: Soldado
  • Embarque:
  • Regresso:

Foi natural do Covão de Oles, povoado que, não obstante a sua pequenez, teve três filhos nas trincheiras da Flandres.

MANUEL FRAZÃO (PADRE)

  • Localidade: Carreirancha
  • Patente: Capelão
  • Embarque: 28 de Maio de 1917
  • Regresso: 25 de Maio de 1919

Foi Alferes-Capelão. No livro “A Cruz na Guerra” do Padre Dr. Avelino de Figueiredo vem o nome do P.e Manuel Frazão na lista dos Capelães Militares que trabalharam em França.

MANUEL PEDRO

  • Localidade: Casal Duro
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 19 de Janeiro de 1917
  • Regresso: Não regressou – Faleceu em França em 01 de Março de 1919

Ea do Casal Duro e seus pais chamavam-se Joaquim Pedro e Maria Rosa de Jesus. Assentou praça no antigo Regimento de Infantaria 7, Leiria, e faleceu em França no ano de 1919, quatro dias antes de embarcar para Portugal. Durante a Guerra foi cozinheiro numa das messes de oficiais, apesar de ser carpinteiro de sua profissão. A morte foi provocada por gases que teria apanhado em combate. Presidiu às cerimónias religiosas de seu funeral o Alferes-Capelão, P.e Manuel Frazão. Regista-se a coincidência de uma irmã dele ter casado, precisamente, no dia em que se verificou o seu óbito.

Manuel Pedro ficou sepultado no cemitério em Richebourg l’Avoué no Norte da França.

Manuel Pedro1

Manuel Pedro – Posto: soldado – Nº Placa: 1065 – Unid. Territorial: Inf. 1 CEP: Inf. 7  – Causa da Morte:        – Data da Morte: 1-3-1919  – Talhão: C  – Fila: 11  – Cova: 20

Manuel Pedro

MANUEL VIEIRA PEDRO

  • Localidade: Carreirancha
  • Patente: Soldado
  • Embarque: 20 de Janeiro de 1917
  • Regresso: 05 de Fevereiro de 1919

Nascido na Carreirancha. Regressado de França, chegou ao Alqueidão em 5 de Fevereiro de 1919 “tendo sido lançados foguetes em sinal de regozijo”.

Combatente em África

JOAQUIM VIEIRA PATRÃO nasceu na sede desta Freguesia e fez parte do número daqueles valentes que se bateram em África, na legítima defesa daquilo que então era português, por direitos de descobrimento e de acordo com os tratados internacionais.

Integrado no batalhão do regimento de infantaria 23, Joaquim Vieira Patrão embarcou a 3 de Junho de 1914 a bordo do vapor “Moçambique”.

Joaquim Vieira Patrão falava daquela época da sua vida com satisfação e orgulho, dignos de nota. Foi isso que lhe deu, o honroso direito à alcunha pela qual gostava de ser tratado, “Quionga”. Na verdade, ele fez parte do corpo expedicionário português que voltou a incorporar nos domínios portugueses, a zona de Quionga em Moçambique, de que os alemães se haviam apoderado violentamente.

Sempre teve muito orgulho na sua alcunha, mesmo no tempo em a doença o inutilizou para a vida activa. Faleceu na sua terra natal, em cujo cemitério foi sepultado.

Em sua homenagem foi dado o nome de Kionga a uma rua do Alqueidão.

Rua do Quinga

Esta entrada foi publicada em Grandes Guerras. ligação permanente.

4 respostas a Primeira Guerra Mundial

  1. Suseli diz:

    Muito bom conhecer a história de idealizadores. Parabéns pelo texto.

    Gostar

  2. Suseli diz:

    Obrigada pela bela aula de história.adoro ler.

    Gostar

  3. Luísa Machado diz:

    Muito importante as vossas informações, obrigada.

    Gostar

  4. Graça M.daSilva Ferreira e Ferraria diz:

    Muito grata por todas estas informações ,pois nem sempre as conhecemos ,a continuar!

    Gostar

Obrigado pela visita. Volte sempre!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s